Bolsonaro e ministros criticam desfile da Mangueira: “Desacato”

O presidente fez o comentário em vídeo gravado em uma praia do litoral paulista. Damares e Luiz Eduardo Ramos também reprovaram a temática

Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 25/02/2020 16:35

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), criticou nesta terça-feira (25/02/2020) o desfile da Mangueira. Enquanto se dirigia ao encontro de apoiadores, em Praia Grande (SP), o mandatário do país falou para a câmera de um assessor sobre a sua relação com o público. “Um dia vão me dar uma vaia também, né? Daí a imprensa vai divulgar”, previu.

O chefe do Executivo aproveitou para comentar a respeito de uma manchete de jornal que tratava da apresentação da escola de samba carioca, ocorrida na noite de domingo (23/02/2020). Em um enredo com críticas políticas e provocações, a agremiação reproduziu a imagem de Jesus como mulher, índio e negro com balas alojadas no corpo, além de tratar da violência policial.

As cenas foram reprovadas pelo presidente: “A Folha de São Paulo foi buscar uma imagem do Carnaval do Rio, de uma escola de samba desacatando as religiões. Cristo levando uma batida de policial, faz uma vinculação comigo. Foram buscar uma imagem do Rio para me atingir”.

Ministros

Os comentários de Bolsonaro foram seguidos pelo ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo). “Como Cristão não creio ser razoável usar a figura de Jesus, filho de Deus, da forma que a escola de samba Mangueira fez”, ressaltou o general.

Por sua vez, Damares não falou diretamente da escola de samba, mas também reprovou a temática. “Exatamente hoje, o Brasil está vivendo seus dias de Carnaval. O que estamos vendo nas festas, infelizmente, é uma afronta e um desrespeito à fé cristã ”, frisou a ministra em evento realizado na sede da ONU em Genebra (Suíça).

 

 

Últimas notícias