Atirador chegou à festa com tema do PT gritando: “Aqui é Bolsonaro”

Testemunhas relataram, ainda, que suspeito de iniciar os disparos não era conhecido da vítima e não havia sido convidado

atualizado 10/07/2022 16:58

Jorge José da Rocha Guaranho fazia parte da Polícia Penal Federal (PPH), matou e foi morto em confusão com petista em Foz do Iguaçu (PR)Reprodução/redes sociais

Apontado como autor dos disparos que mataram o guarda municipal Marcelo Arruda, o policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho (foto em destaque) teria chegado ao aniversário da vítima já com a arma de fogo em punho e aos gritos de: “Aqui é Bolsonaro”.

No momento do crime, a vítima celebrava uma festa de aniversário com o tema pró-Lula e PT. A informação é de boletim de ocorrência obtido pela CNN.

Marcelo ainda conseguiu reagir e disparou contra Jorge José.

Inicialmente, a Polícia Civil informou que o atirador, o policial penal Jorge José da Rocha Guaranho, tinha morrido após Marcelo revidar. Contudo, às 16h40, em coletiva de imprensa, a delegada Iane Cardoso informou que a polícia errou: o agressor estava vivo e foi levado ao hospital. Até a última atualização desta reportagem, ele encontrava-se internado.

Segundo o documento, testemunhas relataram à Polícia Civil que estavam na festa da vítima quando foram surpreendidas pela presença de Jorge. Os convidados não conheciam o policial penal.

Veja imagens da vítima durante a festa de aniversário:

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Conforme os depoimentos, Jorge esteve duas vezes no local. Na primeira oportunidade, ele estava acompanhado da esposa e da filha. Na ocasião, o policial teria feito uma primeira ameaça à vítima, mas decidiu deixar a festa, retornando 20 minutos depois para efetuar ao menos dois disparos.

Veja fotos do policial penal federal:

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

As testemunhas narram que Marcelo, então, sacou a arma de fogo para “revidar a injusta agressão”, tendo efetuado “vários disparos”.

Família

A vítima era casada e pai de quatro filhos, entre eles um bebê de 1 mês. Era guarda municipal havia 28 anos, diretor do Sindicato dos Servidores Municipais de Foz do Iguaçu (Sismufi) e tesoureiro do PT local. Nas eleições de 2020, saiu candidato a vice-prefeito de Foz pelo Partido dos Trabalhadores.

A Polícia Civil investiga o assassinato. Uma das primeiras medidas foi requisitar as imagens das câmeras de monitoramento para a diretoria da Aresfi, que se comprometeu a entregá-las. As armas foram encaminhadas para perícia.

Em nota, o PT nacional lamentou a morte de Marcelo Arruda.

“Cobramos das autoridades de segurança pública medidas efetivas de prevenção e combate à violência política, e alertamos ao Tribunal Superior Eleitoral e ao Supremo Tribunal Federal para que coíbam firmemente toda e qualquer situação que alimente um clima de disputa violenta fora dos marcos da democracia e da civilidade. Iniciativas nesse sentido foram devidamente apontadas pelo PT em várias oportunidades, junto ao Congresso Nacional, o Ministério Público e o Poder Judiciário”, diz a nota.

“Marcelo, não esqueceremos de você, em sua memória continuaremos na luta contra a violência, a injustiça e a intolerância. Presente, hoje e sempre!”, conclui a nota assinada pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR).

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias