metropoles.com

Caso Henry: após 3 anos e meio, Dr Jairinho e Monique não foram a júri

Menino Henry Borel foi morto em março de 2021. Apesar ordem para júri popular, recursos das defesas têm postergado processo judicial

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/ redes sociais
Henry Borel Medeiros
1 de 1 Henry Borel Medeiros - Foto: Reprodução/ redes sociais

Faz três anos e meio que o menino Henry Borel, que tinha 4 anos, morreu no Rio de Janeiro. São réus pelo crime a mãe do garoto, a professora Monique Medeiros, e o então namorado dela, Jairo Souza Santos Júnior, mais conhecido como doutor Jairinho.

Os dois estão presos preventivamente, acusados de envolvimento no crime. Jairinho perdeu o registro de médico, o mandato de vereador e o relacionamento. A juíza Elizabeth Machado Louro, do II Tribunal do Júri, ordenou que o ex-casal fosse levado a júri popular, mas isso ainda não ocorreu.

7 imagens
Jairinho e Monique foram presos e respondem por tortura, homicídio triplamente qualificado, além de fraude processual, coação no curso do processo e falsidade ideológica. O caso aguarda para ser julgado pela Justiça
Leniel Borel - pai de Henry Borel
Ex-vereador e médico, Dr. Jairinho disse em depoimento que socorreu o enteado e que Henry teria chegado vivo ao hospital
Jairinho foi interrogado no dia 13 de junho, no TJRJ
1 de 7

Em 8 de março de 2021, Henry Borel, de 4 anos, foi levado ao hospital na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, com diversas lesões graves pelo corpo. Na época, a mãe do menino, Monique, e o padrasto, Jairinho, disseram à polícia que ele tinha sofrido um acidente doméstico e precisava de socorro

Reprodução redes sociais
2 de 7

Jairinho e Monique foram presos e respondem por tortura, homicídio triplamente qualificado, além de fraude processual, coação no curso do processo e falsidade ideológica. O caso aguarda para ser julgado pela Justiça

Aline Massuca/Metrópoles
3 de 7

Leniel Borel - pai de Henry Borel

Reprodução
4 de 7

Aline Massuca/Metrópoles
5 de 7

Ex-vereador e médico, Dr. Jairinho disse em depoimento que socorreu o enteado e que Henry teria chegado vivo ao hospital

Aline Massuca/Metrópoles
6 de 7

Jairinho foi interrogado no dia 13 de junho, no TJRJ

Aline Massuca/Metrópoles
7 de 7

A professora é acusada de matar o filho de 4 anos junto com o ex-namorado, o ex-vereador Jairinho

Aline Massuca/Metrópoles

O motivo é que advogados dos réus recorreram ao Tribunal de Justiça do Rio e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), e estão postergando o processo. Um dos recursos ainda não foi julgado; por isso, o júri não pode ser marcado.

O crime

O laudo da necropsia do corpo do menino Henry Borel apontou que a morte foi causada por hemorragia interna e por laceração hepática por ação contundente. Ainda consta nos exames que havia 23 lesões no corpo da criança.

As acusações a Jairinho e a Monique são de homicídio, tortura e coação. Os réus afirmaram à época do crime, ocorrido em março de 2021, que a criança foi encontrada desacordada na residência onde os dois viviam, na Barra da Tijuca, no Rio.

Henry foi levado ao hospital. Lá, os profissionais de saúde declararam a morte por hemorragia interna e laceração hepática. Monique e Jairinho argumentaram que teria havido um acidente doméstico.

O processo destaca que não houve qualquer justificativa para as agressões que tiraram a vida da criança. “O crime foi cometido por motivo torpe, uma vez que Jairinho alegrava-se com a dor e o desespero da criança, enquanto Monique anuiu aos episódios de violência em prol de seu benefício financeiro, alcançado pela união com o ex-vereador, mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima, e com o emprego de meio cruel, tendo a vítima sofrido intenso sofrimento físico”.

No processo, Jairinho e Monique chegaram a ser acusados de fraude processual. Mas, com o decorrer das investigações, não foram constatadas provas de que teria havido tal atitude por parte deles. A acusação surgiu pelo fato de uma funcionária ter limpado o apartamento onde eles viviam. No entanto, não ficou evidenciado de que houve ordem diferente da habitual para a limpeza do imóvel.

Jairinho e Monique seguem alegando inocência. Ambos estão presos preventivamente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?