Após ser barrado 5 vezes, homem com prótese abaixa calça para entrar em banco

Homem pretende processar agência bancária após o constrangimento, gravado pela esposa

atualizado 15/09/2021 13:09

Reprodução

Marcelo Cabral, de 47 anos, foi barrado no detector de metais da porta giratória de uma agência da Caixa Econômica Federal, em Vitória (ES), por usar uma prótese de metal no quadril. Ele teve que abaixar as calças publicamente para provar que usa o aparelho e poder entrar no local. O episódio aconteceu na última sexta-feira (10/9).

“Quando chegou minha vez de passar pela porta giratória eu me dirigi até a segurança que faz o controle de acesso e disse que eu era portador de prótese”, contou Marcelo ao portal Uol.

Ele afirmou que, desde que começou a usar a prótese, há dois anos, nunca havia passado por essa situação em outras agências. Marcelo estava acompanhado da sua esposa e precisava entrar na agência para resolver um problema em sua conta.

“Nunca tinha passado por uma situação tão constrangedora como foi essa, não só de ter que abaixar a calça para mostrar a cicatriz, mas também […] entender que foi por conta da minha cor que eu apresentava um risco para a agência.”

Ele afirmou que não recebeu qualquer auxílio ou explicação uma vez que entrou na agência. “Quando acessei o banco, parecia que eu tinha saído de um mundo para outro. Parecia que não tinha acontecido nada”, contou. Irritado com o constrangimento, Marcelo não terminou o atendimento.

Com o auxílio e orientações do movimento negro em Vitória, ele pretende mover um processo contra a empresa que faz a segurança da agência, o segurança e a Caixa. Sua esposa gravou parte do episódio:

Em nota, a Caixa afirmou que “assim que informou sobre a prótese, o cliente recebeu o adequado encaminhamento para atendimento”. Confira a íntegra do texto abaixo:

“A CAIXA informa que utiliza portas automáticas giratórias com detectores de metal em suas agências de acordo com a Lei 7.102/83 e Portaria 3233/2012 do Departamento de Polícia Federal, que disciplina todo o sistema de segurança em estabelecimentos financeiros em território nacional.

Em atenção ao caso relatado, o banco esclarece que, ao entrar na agência, os clientes passam por triagem, de modo a garantir o correto direcionamento no atendimento e distribuição de senhas. Assim que informou sobre a prótese, o cliente recebeu o adequado encaminhamento para atendimento.

Cabe destacar que as portas giratórias são utilizadas pelos bancos para impedir o acesso de pessoas às agências portando objetos que coloquem em risco a segurança de clientes e empregados, nunca para criar obstáculos ou constrangimentos aos usuários.”

Últimas notícias