Após mortes de Bruno e Dom, governo cortou R$ 8,2 milhões da Funai

Indigenista e jornalista inglês morreram na região. Fundação teria cerca de R$ 12 milhões de crédito suplementar

atualizado 26/09/2022 10:55

Após os assassinatos do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips no Vale do Javari (AM), em junho deste ano, o governo federal cortou R$ 8,2 milhões em despesas discricionárias da Fundação Nacional do Índio (Funai). Dados obtidos pelo projeto Data Fixers, em parceria com a agência de dados públicos Fiquem Sabendo, mostram que a fundação chegou a receber um crédito suplementar de R$ 12,3 milhões após o crime.

Porém, boa parte deste valor acabou sendo cortado a pedido do próprio governo federal.

Com a justificativa do cumprimento do teto de gastos, portarias de junho e setembro mostram que R$ 8,2 milhões em despesas discricionárias previstas para o ano foram anulados, afetando diretamente a compra de equipamentos, material de consumo, mão de obra terceirizada e despesa com deslocamentos, entre outras necessidades.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
Publicidade do parceiro Metrópoles 7
Publicidade do parceiro Metrópoles 8
0

Quase ao mesmo tempo em que os cortes aconteciam, servidores da fundação apontavam a necessidade de mais recursos para a manutenção do trabalho região. Em ofício de 29 de julho, a Coordenadoria Regional do Vale do Javari identificou problemas com déficit de servidores e de estrutura.

O documento ainda aponta que, após as mortes de Bruno e Dom, a Coordenadoria Regional do Vale do Javari identificou possíveis crimes ambientais na região, como garimpo, pesca e extração de madeira ilegal, e pediu mais segurança e estrutura de trabalho para os servidores da região.

Mais lidas
Últimas notícias