Após ameaças do PCC, Rodrigo Garcia garante que “não vai retroceder”

Governador de São Paulo está usando colete à prova de balas durante compromissos oficiais e de campanha. Seguranças também foram reforçados

atualizado 02/09/2022 18:04

Governo do estado de São Paulo

São Paulo – O governador paulista Rodrigo Garcia (PSDB) afirmou, nesta sexta-feira (2/9), que não vai recuar no combate ao crime organizado mesmo após ameaças recentes do Primeiro Comando da Capital (PCC).

“Quero dizer que apesar dessas ameaças eu não vou retroceder um milímetro no combate ao crime. Aqui quem está acuado é o crime, jamais o Estado. Nós vamos continuar firmes no combate ao crime”, disse o tucano.

Rodrigo garantiu que movimentações de presos serão feitas como já estava previsto. “Para a gente não admitir nenhum tipo de indisciplina dentro do sistema penitenciário, portanto essas transferências serão realizadas e estão mantidas nos próximos dias”.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

Colete à prova de balas

Nos compromissos públicos de governador e como candidato à reeleição, Rodrigo usou colete à prova de balas, segundo fontes do governo. Os seguranças de sua equipe ainda estavam carregando pastas também resistentes a munições.

No entanto, Rodrigo não falou abertamente sobre os detalhes de sua proteção pessoal.

“É uma decisão da Casa Militar que tem a responsabilidade de cuidar da segurança do governador, dos familiares. A estratégia é deles, eles é que cuidam. Eu acompanho aqui o que eles me orientam”, comentou.

Setor de inteligência

O governo divulgou um comunicado que reforçou o que foi dito pelo governador e complementou: “Com planejamento do Setor de Inteligência [da Casa Militar] e execução pelo seu efetivo policial especializado”.

“A Casa Militar não comenta dados estratégicos elaborados pelo Setor de Inteligência e não detalha o planejamento de segurança da autoridade estadual, com o objetivo de não expor a riscos o governador de São Paulo e seus familiares”, informou.

Segundo a nota, a Casa Militar vai manter o constante monitoramento de ameaças e vai readequar, de acordo com o cenário, o planejamento da segurança.

Mais lidas
Últimas notícias