Anvisa recebe pedido para uso emergencial da vacina chinesa CanSino

Agência tem sete dias para responder se laboratório cumpre regras brasileiras para aplicação da proteção na população. Eficácia é de 65%

atualizado 19/05/2021 15:58

Igo Estrela/Metrópoles

Horas após o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, anunciar que o laboratório CanSino Biologics apresentou pedido para uso emergencial de vacina contra a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) confirmou que iniciou o processo de avaliação.

“A análise da documentação já foi iniciada. No momento, está sendo feita a triagem para verificar se todas as informações para a avaliação da Agência foram devidamente apresentadas”, informou a agência, em comunicado emitido nesta quarta-feira (19/5).

Agora, a diretoria da agência (foto em destaque) deve se manifestar em até sete dias úteis, caso todas os requisitos legais tenham sido cumpridos pela empresa solicitante. Os prazos para a decisão da Anvisa são regulamentados por lei.

O imunizante da CanSino, segundo o laboratório, é produzido a partir de um adenovírus humano não replicante e foi desenvolvido em parceria com a Academia de Ciências Médicas Militares da China. A vacina é oferecida em apenas uma dose.

Reuniões

Antes da formalização do pedido, a Anvisa realizou, em março, duas reuniões com representantes do laboratório CanSino. Nestas ocasiões, foram apresentados os procedimentos necessários e as informações que a empresa deve fornecer para que a Anvisa possa analisar o pedido da empresa.

Os ensaios clínicos sobre segurança e eficácia foram desenvolvidos no Paquistão, na Rússia, no Chile, na Argentina e no México. Os dados desses estudos serão analisados pela Anvisa.

A vacina da CanSino contra a Covid-19 já é utilizada na China e apresenta eficácia de 65% contra o coronavírus.

Atualmente, a Anvisa já liberou o uso (entre definitivo e emergencial) das vacinas: Pfizer, AstraZeneca/Fiocruz/Oxford, Sinovac/Butantan e Janssen. A agência analisa a documentação do imunizante russo Sputnik V.

Últimas notícias