O ex-aliado de Bolsonaro que pode frustrar os planos de seu ministro

Alberto Fraga, que rompeu com Bolsonaro, é favorito para comandar o União Brasil no DF e, assim, frustrar os planos de Anderson Torres

atualizado 14/01/2022 16:36

Ricardo Botelho / Especial para o Metrópoles

A disputa pelo comando da União Brasil – a fusão do Democratas com o PSL – no Distrito Federal pode se tornar uma peleja com repercussão nacional.

Pelo controle do novo partido local, está o ex-deputado Alberto Fraga, que preside o DEM no DF e que rompeu com Jair Bolsonaro por conta da negligência do presidente no combate à pandemia, versus o advogado Manoel Arruda, principal liderança do PSL em Brasília.

Sem consenso, devem ir ao voto. No meio dessa disputa, está o ministro da Justiça, Anderson Torres, do PSL. Ele e Fraga são pré-candidatos a deputado federal.

Se Fraga ganhar, Torres deve deixar o União. E é o que deve acontecer. Fraga tem o apoio do presidente nacional da legenda, ACM Neto, e do governador de Goiás, Ronaldo Caiado.

Anderson Torres pode ser mais um bolsonarista a correr para o PTB, partido alternativo aos aliados do Planalto.

Em nota, o PSL do Distrito Federal informou que comando dos diretórios do União Brasil já foi decidido pela Executiva Nacional.

“Assim sendo, não haverá votação para definir a presidência, assim como os demais cargos da diretoria do União Brasil no DF. A futura diretoria do União Brasil na capital da República terá o intuito de unir os partidos locais para caminharem juntos por um Distrito Federal mais forte e próspero. O foco do partido será criar uma nominata robusta com candidatos que tenham compromisso com a cidade e acima de tudo que representem a população”.