Descubra a ozonioterapia e entenda seus benefícios para a saúde

Terapia com ozônio é anti-inflamatória e já ajudou no combate ao HIV. Hoje, tem ainda mais vantagens quando aplicada por profissional

atualizado 25/01/2019 8:04

IStock

Você já escutou falar da ozonioterapia? Essa é mais uma das terapias alternativas aplicadas e estudadas há mais de 150 anos. Na Primeira Guerra Mundial, era usada para desinfetar as feridas, além de servir como anti-inflamatório e melhorar o fluxo sanguíneo. Também foi utilizada para tratar o HIV enquanto não eram descobertos os medicamentos próprios para o combate ao vírus da Aids. Hoje, tem múltiplas finalidades. Vamos entender um pouco mais?

A ozonioterapia usa ozônio, um gás incolor composto de três átomos de oxigênio.

Segundo o site Medical News Today, a camada de ozônio é encontrada na estratosfera da Terra. Seu objetivo principal é protegê-la da radiação ultravioleta do sol.

Na medicina, a terapia com ozônio é usada para desinfetar e tratar as feridas, limpando a área ao redor delas, melhorando a ingestão e o uso de oxigênio pelo corpo e ativando o sistema imunológico, entre outros, como veremos a seguir.

Mas atenção: como não é comum usar um gás como tratamento médico, as técnicas empregadas são especiais e requerem prática, ainda mais porque o ozônio também pode ser tóxico quando inalado e tem outras complicações.

Hoje, a ozonioerapia é usada para: curar feridas infectadas, distúrbios circulatórios, distúrbios geriátricos, degeneração macular, doenças virais, reumatismo, artrite, câncer e síndrome respiratória aguda, entre outros males.

Embora o ozônio seja um gás, o desenvolvimento da tecnologia significa que ele pode ser usado de várias formas e de maneiras diferentes, incluindo azeite ozonizado diretamente aplicado ao corpo; insuflação – uma terapia de risco onde o ozônio é soprado no reto; água ozonizada, que é uma bebida frequentemente usadas em odontologia; auto-hemoterapia, onde o sangue é retirado, misturado com ozônio e colocado de volta na corrente sanguínea; banho a gás ou sauna.

Ainda segundo o site, existem alguns estudos promissores que examinam como o ozônio pode ser benéfico para a saúde, entre eles podemos citar os que tratam sobre a inativação de bactérias, vírus, fungos, parasitas, leveduras e protozoários. Entre as vantagens do método, está o estímulo ao sistema imunológico para acelerar a cura, pois ele melhora a circulação, limpa artérias e veias, purifica o sangue e a linfa, normaliza a produção de hormônios e enzimas, reduz a dor, estanca sangramento, diminui a arritmia cardíaca ou ritmo cardíaco anormal, bem como o risco de complicações do diabetes, e melhora a função cerebral e a memória.

Mas qual o nível de segurança dessa terapia? Um estudo relata que os efeitos da ozonioterapia são consistentes e seguros. No entanto, o próprio ozônio tem efeitos perigosos.

A exposição ao ozônio está associada a um aumento significativo no risco de morte por doença respiratória, e tem efeitos tóxicos bem conhecidos nos pulmões das pessoas quando presentes com dióxido de nitrogênio na fumaça. Mesmo pequenas quantidades de ozônio podem irritar os pulmões e a garganta, resultando em tosse, falta de ar e danos ao tecido pulmonar, que é mais suscetível a infecções.

Houve casos em que a terapia com ozônio teve efeitos adversos, alguns dos quais foram graves. Esses efeitos colaterais relatados incluem falta de ar e outros problemas respiratórios, inativação enzimática, inchaço dos vasos sanguíneos, circulação pobre, problemas cardíacos, aumento do risco de acidente vascular cerebral, dano ao tímpano por meio da insuflação do ouvido e ruptura intestinal por insuflação do reto, causando embolia pulmonar e morte quando administrada por via intravenosa.

Mas não se assuste. Esses efeitos adversos são raros e, em circunstâncias normais, a terapia com ozônio é considerada bastante segura. Dentre os efeitos positivos, podemos destacar os seguintes: unhas e cabelos crescem mais e se fortalecem; a pele fica com um brilho saudável; a pessoa tem mais energia no dia a dia e adormece com mais facilidade

Portanto, a dica é procurar um profissional capacitado. Em Brasília, indico a Clínica Sahi.

Últimas notícias