Alquimia: o que significa e que ensinamento nos traz neste novo ano

Transmutação é a palavra-chave, seja de uma condição de doença para a saúde, seja para um novo modo de ver a vida

IStockIStock

atualizado 01/01/2019 10:45

É comum escutarmos a palavra alquimia, principalmente quando se refere a esoterismo, misticismo, mágica e junção de elementos para dar vida a um novo produto, seja de qual qualidade for. Mas você sabe exatamente o que é e de onde surgiu o termo alquimia?

Para muitos, é uma forma de pensamento especulativo que, entre outros objetivos, tentou transformar metais básicos, como chumbo ou cobre, em prata ou ouro, além de tentar descobrir uma cura para todas as doenças, um modo de prolongar a vida e cujo objetivo era alcançar a pedra filosofal.

Segundo o site Enciclopédia Britannica, alquimia foi o nome dado na Europa Latina no século XII a um aspecto do pensamento correspondente à atual astrologia, que é uma tradição mais antiga. Ambos representam tentativas de descobrir a relação do homem com o cosmos e explorar esse relacionamento em seu benefício.

Também não está clara a origem da palavra alquimia. Ela é europeia, derivada do árabe, mas a origem da raiz, chem, é incerta. Palavras semelhantes a esse termo foram encontradas na maioria das línguas antigas, com diferentes significados mas de algum modo, possivelmente, relacionadas à alquimia. De fato, os gregos, chineses e indianos geralmente se referiam ao que os ocidentais chamam de alquimia de “A Arte” ou por termos que denotam mudança ou transmutação.

Ainda segundo o site, em relação à química na alquimia, os metais ouro, prata, cobre, chumbo, ferro e estanho eram todos conhecidos antes do surgimento da alquimia. Mercúrio, o metal líquido, certamente conhecido antes de 300 A.C., quando aparece em fontes orientais e ocidentais, era crucial para a alquimia. O enxofre,”a pedra que queima”, também foi fundamental.

A manipulação desses materiais levaria à descoberta dos ácidos minerais, cuja história começou na Europa no século XIII, como o ácido nítrico, ácido sulfúrico e ácido clorídrico.

Mas e qual era o objetivo? Transmutação. Essa é a palavra-chave que caracteriza a alquimia, e pode ser entendida de várias maneiras: nas mudanças que são chamadas químicas, em mudanças fisiológicas, como passar da doença para a saúde, em uma transformação esperada da velhice para a juventude ou passando de uma existência terrena para uma existência sobrenatural. Os experimentos com elementos químicos serviam também para analisar o nível de expansão da consciência que o químico sofria e determinar seu grau de evolução.

A grande verdade é que a alquimia tinha caráter iniciático, e os alquímicos tinham que passar por etapas de iniciação em relação aos ensinamentos sobre os grandes mistérios entre o céu e a terra, para, assim, evoluírem.

Dessa forma também são os símbolos da alquimia, todos entendidos por etapas. Segundo os alquimistas, os homens devem buscar evoluir passo a passo, para evoluírem melhor.

Devido ao grau de misticismo e esoterismo usados – alguns invocavam divindades – eles foram perseguidos durante a idade média e acusados de fazerem pacto com o diabo. Curiosamente, é nessa época que a alquimia vai sofrer os maiores avanços, principalmente pela linguagem hermetista e os símbolos.

Por fim, a alquimia foi uma das grandes responsáveis pela evolução da medicina e pela descoberta da cura para várias doenças, ela sempre existirá, pois as sociedades secretas nunca deixarão de existir, assim como os mistérios jamais serão totalmente revelados.

Últimas notícias