A Polícia Civil de Barra Grande (BA) afirma ter prendido o suspeito de ter estuprado e agredido uma turista brasiliense de 34 anos, em uma praia de Maraú, no sul da Bahia, no último domingo (10/2). Joseilton Jorge Conceição, vulgo “Jeilton” (foto em destaque), 25, é natural de Camamu e morador da região da Ponta do Mutá, onde ocorreu a violência.

De acordo com informações do delegado de Polícia Civil de Maraú, Marcos Augusto Larocca, o acusado foi encontrado e preso por volta das 23h50 dessa segunda (11), próximo ao local do crime.

O homem é servente de pedreiro e pescador na região e estava desempregado. Ele tinha o costume de ir à beira da praia todas as manhãs para verificar se o barco que utilizava para a pesca estava no local. A roupa usada por ele e relatada pela vítima no dia do crime também foi encontrada pelos policiais no momento da prisão.

A turista reside em Taguatinga e passava férias com a família no distrito de Barra Grande, na Península de Maraú, quando foi violentada no início da manhã de domingo (10), enquanto caminhava pelas areias da praia da Ponta do Mutá, nas proximidades do Farol. Ela tentou se livrar do acusado, com socos e chutes, mas acabou dominada.

O delegado responsável pelo caso informou que a polícia chegou ao acusado por meio das características repassadas pela vítima. “No procedimento de reconhecimento cumprimos a metodologia necessária para evitar equívocos”, disse o policial.

Ele explicou que, com a ajuda da Polícia Civil do DF, conseguiu mandar as imagens do suspeito para que a jovem fizesse o reconhecimento. “Ao vê-las, a vítima ficou muito nervosa e teve absoluta convicção em apontar o autor”, afirmou Larocca.

Joseilton acabou preso e, segundo a PCBA, será encaminhado ao presídio Ariston Cardoso, em Ilhéus, onde permanecerá à disposição da Justiça.

Em 2019, o Metrópoles iniciou um projeto editorial para dar visibilidade às tragédias provocadas pela violência de gênero. As histórias de todas as vítimas de feminicídio do Distrito Federal serão contadas em perfis escritos por profissionais do sexo feminino (jornalistas, fotógrafas, artistas gráficas e cinegrafistas), com o propósito de aproximar as pessoas da trajetória de vida dessas mulheres.

O Elas por Elas propõe manter em pauta, durante todo o ano, o tema da violência contra a mulher para alertar a população e as autoridades sobre as graves consequências da cultura do machismo que persiste no país. Desde 1° de janeiro, um contador está em destaque na capa do portal para monitorar e ressaltar os casos de Maria da Penha registrados no DF. Mas nossa maior energia será despendida para humanizar as estatísticas frias, que dão uma dimensão da gravidade do problema, porém não alcançam o poder da empatia, o único capaz de interromper a indiferença diante dos pedidos de socorro de tantas brasileiras.