*

Em agosto, o site AirBnb divulgou um relatório mostrando que existe uma mudança na tendência de comportamento de quem viaja no Brasil. O estudo aponta o crescimento de um turismo mais ecológico e menos acelerado, fora dos centros urbanos.

Dentro desse universo, o turismo de pesca esportiva também se destaca e vem crescendo a cada ano. Parte desse sucesso é resultado do trabalho das agências de viagens especializadas, pousadas e barcos hotéis, que têm acreditado e investido muito em estrutura, proporcionando cada vez mais conforto para os pescadores.

Outro ponto que vem ganhando destaque no Brasil é a prática da pesca esportiva, ou seja, pesque e solte. Os amantes da atividade predatória – predominante no país – estão se sensibilizando com a importância de manter um bom relacionamento com a natureza e procuram preservar e respeitar o meio ambiente.

Reprodução

Navio de 45 metros e casco negro esconde um hotel de luxo em seu interior. Navegando pelo percurso peruano do Rio Amazonas, o barco hotel Aria Amazon oferece apenas 16 suítes, levando no máximo 32 visitantes a bordo. São 24 tripulantes, entre eles, um paramédico e quatro guias especializados

 

De acordo com Augusto Mergulhão, proprietário da agência de turismo especializada em pesca esportiva Capital Fishing, o público jovem é grande, mas não é o principal. “A faixa etária média dos pescadores esportivos está entre 40 e 60 anos, em sua maioria homens, servidores públicos, empresários, advogados e aposentados”, revela.

Investimento não é baixo

Para quem se interessou e está querendo experimentar a pescaria, prepare-se: o esporte não é muito barato. Augusto conta que, geralmente, a pesca reúne pessoas com alto poder aquisitivo. “Os pacotes variam entre R$ 3 mil e R$ 7 mil (por pessoa) para uma média de cinco dias de pesca – a depender muito do destino. Nestes valores as passagens aéreas são sempre à parte”, diz.

No entanto, outros serviços estão incluídos, como: hospedagem, alimentação, barco, piloteiro, gasolina, bebidas (alcoólicas e não alcoólicas) e petiscos. Os materiais de pesca também são de responsabilidade do pescador. Obviamente, os apetrechos de muita qualidade são mais caros. Boas carretilhas e molinetes, por exemplo, podem variar de R$ 500 a R$ 3 mil. Varas, de R$ 200 a R$ 1.500. Mas também é possível alugar os equipamentos em alguns lugares.

Melhores roteiros nacionais e internacionais
No Brasil, é possível realizar pescarias o ano inteiro. Mas existem épocas mais adequadas para fazer cada roteiro e buscar espécies de peixes determinadas. A maioria dos destinos exige um certo conhecimento do pescador.

No entanto, nada impede que os iniciantes pratiquem a atividade. A única recomendação é que estejam acompanhados de pessoas um pouco mais experientes. Dessa forma, terão uma viagem mais proveitosa.

Selecionamos cinco roteiros muito procurados para a prática, indicando os peixes presentes na região e a melhor época para pescaria. Confira:

 

 

 

 

 

 



COMENTE

 
viagemroteiropescariapescapesca recreativa

Leia mais: Turismo