*

Los Angeles é a cidade das celebridades. Algumas das maiores estrelas do cinema internacional escolheram o estado da Califórnia para viver e como base profissional. Os famosos brasileiros também são fãs da metrópole – vira e mexe aparecem no Instagram turistando por lá. Quem presta atenção nos Stories e publicações dos viajantes em terras americanas já deve ter visto o rosto de Mônica Palomares.

A brasiliense, filha de Rogério de Freitas Cunha (ex-presidente da Novacap e Codeplan, além de engenheiro-chefe na construção de Brasília) e Gabriela Reisman Cunha (uma das fundadoras do Clube Internacional de Brasília), mora há 30 anos na cidade e, depois de vários empregos, hoje atua como guia turística no Guia Califórnia.

Aos 20 anos, Mônica viajou para os Estados Unidos a convite do irmão mais novo, Rafael Reisman, que passava temporada no país. Com família americana, os dois conseguiram o Green Card. Sem muitas informações, só descobriu que não podia ficar fora do país por mais de três meses quando estava de malas prontas para embarcar em direção ao Brasil. “A gente morava no Park Way, casa com piscina, e como eu não tinha gostado muito da vida aqui estava pronta para voltar. O americano não era tão simpático há 30 anos. Minha mãe me convenceu a ficar por aqui”, lembra.

Mônica ficou cinco anos sem saber o que fazer. Não falava inglês direito e procurava uma área para trabalhar. O mais fácil, na época, era ser babá. Conseguiu trabalho em uma casa e os vizinhos foram se falando, a propaganda boca a boca acontecendo, até que ela precisou chamar a família para ajudar a atender a demanda. Mônica recebeu uma dica: com tanto sucesso, deveria tentar uma agência de baby sitters em Beverly Hills. Juntou cartas de recomendação entre os clientes e tentou a sorte entre os famosos.

O primeiro emprego foi como baby sitter para a comediante inglesa Tracey Ullman. Cheios de encontros para brincar, era comum receber as baby sitters para buscar as crianças. “Um dia a Tracey ligou, avisou que a mãe de uma das meninas estava indo buscar a filha. Abri o portão e era a Meryl Streep. Ela me disse que a filha dela me adorava e eu devia levar a Mabel, da Tracey, para brincar. Fiquei entre as casas das duas”, conta.

Dois anos depois, deixou de ser babá para Tracey e nos últimos dias de emprego, sentou-se no chão com Meryl. “Ela me chamou para conversar, me contou a vida toda. Acabei aceitando o emprego como baby sitter nos finais de semana. Meryl ficava imitando o meu sotaque, é uma mulher maravilhosa, uma mãezona. Nós vivíamos em casa de artistas. Uma vez fomos a um churrasco, cheguei lá com as crianças e estavam Bruce Willis, Demi Moore, Tom Cruise e Nicole Kidman”, diz. O trabalho durou até 1994, quando a atriz decidiu se mudar para Connecticut depois de um terremoto que atingiu a Califórnia.

A babá trabalhou com vários famosos, até chegar na casa do diretor Rick Carell, responsável por programas como Hannah Montana e Três é Demais. O novo chefe a incentivou a estudar, e logo Mônica se matriculou no curso de produção e pós-produção da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA). Foi quando a babá mudou de carreira. Ao se formar, conseguiu um emprego como cortadora de negativos e ficou 15 anos trabalhando para a Universal e Disney até as filmagens migrarem 100% para o digital.

Nessa época, a então especialista em pós-produção recebia a família nos finais de semana para passear em Los Angeles. Fazia tours com todos sem receber um centavo. “Era brincando”, lembra. Até que o telefone tocou e, do outro lado da linha, era uma agência querendo contratá-la para receber Jader Barbalho Filho em sua lua de mel. “Foi a primeira vez que ganhei dinheiro com isso. O segundo tour fiz com meu irmão. Recebemos o Roberto Medina e a família – por isso o Rafael (Reisman, produtor) seguiu na música, os dois nunca mais se soltaram”, explica.

A partir daí, surgiu o Guia Califórnia. A empresa de Mônica é contratada por várias agências brasileiras ou recebe contatos diretos pelo Facebook e Instagram. E como uma celebridade chama outra e uma postagem chama os seguidores a conhecer o serviço, não faltou mais trabalho para a guia turística. Bruna Marquezine, Cláudia Raia, Anitta, Ivete Sangalo, Hugo Gloss, Luciano Huck… Quase todo brasileiro famoso que pisa em Los Angeles entra em contato com Mônica.

Fazendo trabalho como transfer, guia e agora fotógrafa – Mônica vem se especializando e oferece o serviço particular –, quase não dá conta da demanda. Alguns clientes chegam a buscá-la em casa para garantir o tour. “Eu amo Los Angeles e para mim é um prazer mostrar a cidade. Espero que vejam pelos meus olhos, como uma local, uma pessoa que vive ali há 30 anos, e não como uma turista. Por ter trabalhado com cinema, falo bastante do assunto”, explica. Mas o tour é, no fim das contas, personalizado. Dependendo do público, a guia direciona a experiência para agradar o cliente.

“Trato todos os meus clientes da mesma maneira, quero que se sintam especiais – a Xuxa foi um pouco mais mimada, sou muito fã”, ri. “Curto muito o que faço”. Ela, inclusive, se torna amiga de grande parte de seus clientes. No final de 2018, foi convidada a ficar hospedada na casa da atriz Larissa Manoela para comemorar seu aniversário, e vive trocando mensagens com Cláudia Raia, por exemplo.

American Dream
Na vida pessoal, Mônica se casou em 1998 com David Palomares, de quem herdou o sobrenome. O marido também trabalha com cinema e eventualmente faz parte dos tours: “Quando ele vai, parece que estamos em um filme. Aprendi e aprendo muito de fotografia com ele”, conta. A guia tem dois enteados. Danielle, de 30 anos, é cantora de ópera profissional e modelo plus size, e David Jr, do alto de seus 2,10m, dá aulas de basquete em uma escola.

O filho caçula do casal, Christian, é o orgulho da mãe. Aceito na Universidade de Columbia, uma das mais concorridas dos Estados Unidos, estuda ciências políticas e está se especializando em política brasileira. Além disso, toca contrabaixo clássico e faz parte do tradicional grupo de canto à capela Kingsman.