*

Desde quinta-feira passada (5/10), estão surgindo denúncias de como Harvey Weinstein, um dos maiores produtores de cinema do mundo, agia nos bastidores de Hollywood. Diversas mulheres já vieram a público acusá-lo de assédio e estupro.

Agora, outras pessoas estão revelando como ele também ameaçava atrizes a usarem as peças de roupas criadas pela Marchesa, marca de sua ex-mulher Georgina Chapman.

 

Pascal Le Segretain/Getty Images

Harvey Weinstein e Georgina Chapman

 

Segundo uma reportagem feita pelo site Hollywood Reporter, Weinstein coagiu Sienna Miller a desfilar no Globo de Ouro de 2007 com um modelo da grife. Ela estava divulgando o filme “Factory Girl”, quando recebeu o recado: “Como você foi convidada por ele, Weinstein pode vai ficar muito chateado se você não usar Marchesa”.

O mesmo aconteceu com Felicity Huffman em 2005. Ele falou para a atriz que só investiria no filme “Transamerica” se ela usasse as roupas criadas por Georgina.

Esse comportamento fez com que a marca crescesse em uma velocidade enorme. Jennifer Lopez, por exemplo, um dos nomes mais fotografados dos tapetes vermelho, usou a grife no Globo de Ouro e no Oscar de 2007.

A Marchesa não era o único investimento de Harvey na indústria fashion. Ele também era produtor do reality show “Project Runway”, onde a mulher dele participava como jurada.

A estilista de 41 anos e Weinstein, de 65, se casaram em 2007 e têm dois filhos, um de 7 e outro de 4 anos. Ela pediu divórcio após as denúncias. “Meu coração está partido por todas as mulheres que sofreram uma dor tremenda por estas ações imperdoáveis. Decidi deixar meu marido”, disse Georgina, em um breve depoimento à revista People, na última terça-feira (10/10).

Harvey Weinstein diz estar “profundamente devastado” após sua mulher, Georgina Chapman, anunciar a separação depois das denúncias de abusos cometidos pelo poderoso produtor de cinema nos últimos dias. “Eu perdi minha mulher e filhos, as pessoas que eu mais amo no mundo”, disse Weinstein em uma entrevista exclusiva ao site PageSix.

(Com informações da Agência Estado)



COMENTE

 
modafeminismo