Greve dos caminhoneiros adia provas de nove concursos em todo o país

Mais de 120 mil candidatos foram afetados pela paralisação. Avaliações serão remarcadas e desistentes terão dinheiro de inscrições devolvido

atualizado 26/05/2018 11:34

IStock

A greve dos caminhoneiros também atingiu em cheio os concursos públicos. Pelo menos 12 seleções tinham provas e avaliações agendadas para domingo (27/5) e os próximos dias: nove delas foram adiadas. Sem ter garantia de como chegar aos locais de aplicação dos certames, mais de 120 mil pessoas terão que aguardar novas datas para serem avaliadas. As bancas examinadoras precisarão devolver o valor das inscrições caso o candidato não possa ou não queira continuar participando do processo seletivo.

Com o bloqueio das estradas e a falta de combustível que afetou aeroportos e o transporte terrestre, as empresas responsáveis pela organização dos concursos ficaram sem ter como distribuir adequadamente os cadernos de provas para os locais de aplicação.

Outro problema é o deslocamento dos candidatos, em especial, para aqueles que moram em unidade da Federação diferente do local de realização do exame: como o caso do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT-15), localizado em Campinas (SP), que atraiu mais de 70 mil concorrentes de todo o país. A seleção é organizada pela Fundação Carlos Chagas (FCC).

Ainda no estado de São Paulo, ficaram para depois as provas da primeira fase de delegado da Polícia Civil (PCSP). No total, 23.575 mil candidatos estão concorrendo a 250 oportunidades. As avaliações seriam aplicadas em 10 cidades do interior e na capital. A Comissão de Concurso da PCSP divulgou nota informando que novas orientações serão divulgadas em breve. Segundo o texto, a preocupação neste momento é assegurar a participação de todos. A Polícia Civil do Rio Grande do Sul (PCRS) mudou o cronograma e deixou de aplicar os testes de aptidão física (TAF) para parte dos postulantes a inspetor e a escrivão.

No mesmo dia, o Instituto Federal Fluminense (IFFluminense) comunicou aos 5.836 candidatos às vagas de professor e aos 13.334 de técnico-administrativo sobre o adiamento do concurso. Também foram postergadas as provas do Curso de Formação de Sargento (CFS) da Força Aérea Brasileira (FAB), do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM/PR), do Conselho Regional de Educação Física da 8ª Região (CREF 8ª) e do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas), todas marcadas para este domingo (27).

O mesmo ocorreu com a etapa de avaliação psicológica da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe-PA), agendada para ocorrer entre 27 e 30 de maio.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou comunicado no site da Fundação Getulio Vargas (FGV), responsável pela organização, informando a suspensão da prova prático-profissional (segunda fase) do 25º Exame da Ordem. A justificativa foi a constatação de “não haver condições logísticas para entrega e aplicação das provas de forma uniforme” aos 29.892 inscritos.

Concursos mantidos
Apesar da mobilização, três provas foram mantidas. Está confirmada a aplicação, em 20 cidades do país, das avaliações para ingresso na Liquigás Distribuidora S.A. Os mais de 52 mil candidatos inscritos concorrem a 695 vagas para cargos de níveis médio e superior. A Fundação Cesgranrio garantiu não haver nada que impeça a realização adequada da seleção.

Também foi preservada a agenda para no certame da Prefeitura de Caxias (MA), realizada pelo Instituto Machado de Assis. O primeiro dia de provas – e também de paralisação, no domingo passado (20) – ocorreu com tranquilidade. O município busca 1.179 servidores para atuarem em diversos cargos nas áreas de saúde, educação, administração e segurança.

Da mesma maneira, nada muda para quem concorre a uma das 42 chances de técnico em enfermagem do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe):  o número de concorrentes não foi informado.

Direitos garantidos
As bancas organizadoras devem divulgar um cronograma atualizado de cada concurso, tão logo as novas datas sejam acordadas. Depois disso, os candidatos que não puderem ou não quiserem continuar participando do processo de seleção poderão solicitar a devolução do valor pago para inscrição. Não há prazo definido ou obrigatório para esse procedimento ser feito.

A FAB foi ágil e já notificou os próximos passos: mudou a data para 1º de julho e disponibilizou o link para pedido de ressarcimento

Também está marcada a prova do Iabas, será dia 3 de junho. Na última quinta-feira (24), a Fundação Universidade Empresa de Tecnologia e Ciências (Fundatec), responsável pelo concurso da PCRS, divulgou que os exames serão em 9 e 10 de junho, mas somente para quem já estava agendado para este fim de semana. As demais seleções devem divulgar informações na próxima semana.

A Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos Públicos (Anpac) participou do processo de negociação e adiamentos em prol dos candidatos. Segundo o presidente da entidade, Marco Antônio Araújo Junior, foi feito contato com as principais empresas organizadoras solicitando a mudança de data a fim de minimizar os prejuízos da greve dos caminhoneiros para os concurseiros.

Últimas notícias