metropoles.com

OMS reforça recomendação sobre uso de máscaras na prevenção da Covid

Diretora técnica da OMS, Maria Van Kerkhove, foi questionada sobre resultados de um novo estudo que sugere a ineficácia das máscaras

atualizado

Compartilhar notícia

OMS/Reprodução
Maria Van Kerkhove na OMS
1 de 1 Maria Van Kerkhove na OMS - Foto: OMS/Reprodução

A diretora técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria Van Kerkhove, rebateu, nesta quarta-feira (22/2), as informações apresentadas por um estudo que afirma que usar máscaras “provavelmente faz pouca ou nenhuma diferença” na proteção contra a Covid-19.

Durante coletiva de imprensa realizada em Genebra, na Suíça, a infectologista foi questionada sobre os resultados da metanálise feita pelo Cochrane Library. Maria afirmou que o uso de máscaras bem ajustadas ao rosto continua sendo uma das estratégias da OMS para reduzir a disseminação do coronavírus.

O uso da máscara continua sendo uma das recomendações porque sabemos que são eficazes para a prevenção da doença, mas elas não funcionam sozinhas”, afirma a diretora da OMS ao lembrar de outras ferramentas vitais para acabar com a pandemia, como a vacinação.

A recomendação da OMS é que a população deve continuar a usar a máscara em locais com aglomeração, fechados ou pouco ventilados. Os indivíduos com suspeita de Covid-19 ou com o diagnóstico confirmado também devem usar o item quando estiverem próximos a outras pessoas.

A orientação também se destina àqueles que tiveram contato com infectados e às pessoas mais vulneráveis à infecção do coronavírus quando estiverem em público.

0

Metanálise é questionada

O novo estudo em questão foi publicado em 30 de janeiro, na Cochrane Library, um instituto conhecido por fazer revisões de estudos já publicados. Ele foi feito a partir da análise de 78 ensaios clínicos randomizados que analisaram o impacto das medidas físicas de mitigação da doença, incluindo o uso de máscara.

As pesquisas envolveram aproximadamente meio milhão de pessoas de todo o mundo. Algumas delas foram feitas antes da pandemia, para avaliar o impacto do uso de máscaras por profissionais da saúde na prevenção da gripe e de outras doenças respiratórias.

O artigo foi usado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em um ofício enviado à Anvisa em 13 de fevereiro sugerindo que a agência acabasse com a obrigatoriedade do uso da máscara nos aeroportos e aviões.

O documento, assinado pelo presidente do CFM, José Hiran da Silva Gallo, causou revolta na comunidade científica por contrariar uma série de estudos feitos em todo o mundo que comprovam a eficácia das máscaras para conter a transmissão do vírus expelido por pessoas doentes e as recomendações de órgãos importantes como a OMS e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

Além disso, os autores da revisão do Cochrane Library são conhecidos por defender a imunidade de rebanho e o “isolamento vertical”, duas teorias derrubadas ainda no início da pandemia por não terem e eficácia comprovada e colocarem a população em risco.

Em resposta ao CFM, a Anvisa afirmou pauta suas decisões a partir das melhores evidências científicas e que o uso correto da máscara é um ato de proteção individual e coletiva.

Os autores da revisão reconhecem limitações na análise, incluindo a metodologia usada nos estudos avaliados, a baixa adesão do uso das máscaras por muitas populações e o uso inconsistente ou incorreto do item de proteção, o que interfere nos resultados sobre a eficiência.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?