metropoles.com

Novos neurônios podem restaurar memória em pacientes com Alzheimer

Cientistas descobriram que, em camundongos, elevar a produção de neurônios pode ser benéfico para recuperar armazenamento de memórias

atualizado

Compartilhar notícia

Andriy Onufriyenko/Getty Images
Ilustração colorida de neurônios e nervos - Metrópoles
1 de 1 Ilustração colorida de neurônios e nervos - Metrópoles - Foto: Andriy Onufriyenko/Getty Images

Um estudo publicado na revista científica Journal Experimental Medicine por cientistas da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, revelou que o aumento da produção de neurônios pode restaurar a memória de pacientes com Alzheimer. A pesquisa foi publicada na última sexta-feira (19/8) e representa uma estratégia possível para o tratamento da doença.

No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, 1,2 milhão de pessoas vivem com Alzheimer e outras 100 mil são diagnosticadas a cada ano com a doença. O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa que causa perdas cognitivas, como a memória. Atualmente, ainda não existe cura para a condição.

O estudo, feito com camundongos portadores de Alzheimer, impulsionou nos animais um processo chamado neurogênese, que produz novos neurônios para o cérebro. Os cientistas usaram engenharia genética para “desligar” um gene relacionado à morte de células-tronco neurais, que dão origem aos neurônios — assim, mais células cerebrais foram criadas.

0

Depois do procedimento, os camundongos passaram a apresentar um número maior de novos neurônios. Segundo os cientistas, as células podem se incorporar aos circuitos neurais e recuperar a função de armazenamento de memórias. Os animais passaram em dois testes diferentes, atestando que as falhas na memória em decorrência do Alzheimer podem estar associadas a erros na neurogênese.

Os cientistas também fizeram o processo contrário. Eles inativaram os neurônios recém-formados nos camundongos com Alzheimer e, com isso, foi observada a perda dos benefícios da elevação da neurogênese, impedindo qualquer tipo de melhora na memória dos animais.

“No entanto, o papel dos neurônios recém-formados na formação da memória e se os defeitos na neurogênese contribuem para as deficiências cognitivas associadas ao Alzheimer não são claros”, explica o professor Orly Lazarov, um dos autores do estudo, ao site EurekAlert.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações