Inteligência artificial previne ataques cardíacos e derrames

A expectativa é que, dessa forma, os médicos consigam recomendar tratamentos mais apropriados para cada tipo de paciente

Robina Weermeijer/DivulgaçãoRobina Weermeijer/Divulgação

atualizado 14/02/2020 13:18

Pela primeira vez, cientistas usaram inteligência artificial para medir de forma instantânea e com precisão o fluxo sanguíneo. O estudo, conduzido pela Universidade Global de Londres (UCL) e pelo grupo Barts Health NHS Trust e divulgado nesta sexta-feira (14/02/2020), deve possibilitar a prevenção de prever chances de morte, ataques cardíacos e derrames.

A expectativa é que, dessa forma, os médicos consigam recomendar tratamentos mais apropriados para cada tipo de paciente.

O fluxo sanguíneo reduzido, que geralmente é tratável, é um sintoma comum de muitas doenças cardíacas. As diretrizes internacionais recomendam uma série de avaliações para medi-lo, mas muitas são invasivas e apresentam riscos.

Algumas avaliações, como a ressonância magnética cardiovascular (CMR), até evitam sofrimento ao paciente, mas as imagens de escaneamento eram difíceis de analisar e fornecer um prognóstico preciso para algumas doenças.

Os pesquisadores realizaram exames em mais de 1.000 pacientes atendidos no Hospital St. Bartholomew e no Royal Free Hospital e usaram a nova técnica automatizada de inteligência artificial para analisar as imagens.

Ao fazer isso, as equipes foram capazes de quantificar de forma precisa e instantânea o fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco e fornecer as medidas para as equipes médicas que tratam os pacientes.

Ao comparar os resultados do fluxo sanguíneo gerado pela IA com os resultados de saúde de cada paciente, a equipe descobriu que os pacientes com fluxo sanguíneo reduzido eram mais propensos a ter resultados adversos à saúde, incluindo morte, ataque cardíaco, derrame e insuficiência cardíaca.

Como o fluxo sanguíneo fraco é tratável, essas melhores previsões acabam levando a um melhor atendimento ao paciente, além de dar novas ideias sobre como o coração funciona “.

O professor James Moon, do Instituto UCL de Ciência Cardiovascular afirmou que a IA estão conseguindo obter avaliações mais precisas do que as feitas pelos próprios médicos.

“A inteligência artificial está saindo dos laboratórios de informática e entrando no mundo real da saúde, realizando algumas tarefas melhores do que os médicos poderiam fazer sozinhos. Tentamos medir o fluxo sanguíneo manualmente antes, mas é tedioso e demorado, levando os médicos para longe de onde eles são mais necessários, com seus pacientes “, explicou.

Últimas notícias