Foi vacinado contra Covid-19 e teve reações? Saiba o que fazer

Infectologistas explicam porque as reações ocorrem e se é recomendado se medicar para aliviar sintomas como febre e dor de cabeça

atualizado 08/06/2021 20:43

vacinação no estacionamento 13 do parque da cidadeArthur Menescal/Especial Metrópoles

Na última semana, as redes sociais foram inundadas por uma enxurrada de memes sobre reações adversas causadas pela vacina de Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19. Também chamados de efeitos colaterais esses eventos são previstos em bula e esperados após as injeções.

Dor local, calafrios, febre e fadiga não são sintomas exclusivos para as vacinas contra a Covid-19 e podem surgir também após a injeção de outros imunizantes, segundo David Urbaez, presidente da Sociedade de Infectologia do DF. “Os registros das vacinas sempre incluem critérios de segurança e reações adversas”, afirma o médico infectologista.

É esperado que algumas pessoas tenham reações temporárias descritas nas bulas dos imunizantes. Veja respostas de infectologistas para algumas dúvidas frequentes sobre os efeitos colaterais pós-vacinação.

Quais são as reações esperadas após as vacinas contra Covid-19?

As reações mais comuns são: vermelhidão, dor, coceira e inchaço no local da injeção. Também podem surgir sintomas gerais e sistêmicos que incluem dor de cabeça, indisposição, enjoo, fadiga, dor muscular, calafrios, sensação febril e febre alta a partir de duas a seis horas após a aplicação.

“A imensa maioria delas – em torno de 99% – são reações leves, que causam algum tipo de incômodo, mas que não têm nenhum tipo de ameaça à saúde ou à vida da pessoa que recebeu a vacina”, destaca Urbaez.

O médico recomenda que as pessoas que manifestem algum tipo de sinal ou sintoma diferente dos efeitos adversos leves procurem o posto de vacinação para receber orientação e para que o caso seja notificado.

Por que as vacinas provocam reações adversas?

Os sintomas acontecem como uma reação inflamatória do organismo em resposta ao agente estranho injetado no corpo. Ao aplicar uma vacina, o sistema imunológico é estimulado e ele libera substâncias biologicamente ativas que são as responsáveis pelo aparecimento dos sintomas.

As reações locais são efeitos diretos do trauma provocado pela aplicação da agulha e a entrada do líquido nos tecidos da pele.

O infectologista David Urbaez explica que as vacinas de plataforma de vetor viral – como as da Oxford/ AstraZeneca, Johnson & Johnson e a Sputnik V – habitualmente terão um percentual maior de relatos de eventos adversos em comparação com as vacinas de vírus atenuado – como a Coronavac.

Posso tomar remédios para aliviar os efeitos colaterais?

A indicação deve ser feita por um médico e depende da gravidade da reação. A principal recomendação é permanecer em repouso, hidratar o corpo e fazer uma compressa no braço para aliviar os sintomas locais. Caso o incômodo persista, pode-se tomar um paracetamol ou uma dipirona mas, em geral, os sintomas passam naturalmente com o decorrer do tempo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fez um alerta recente para o uso excessivo de paracetamol para controlar os efeitos colaterais após a vacinação. De acordo com a Anvisa, “o uso do medicamento deve ser feito com cautela, sempre observando a dose máxima diária e o intervalo entre as doses, conforme as recomendações contidas na bula, para cada faixa etária”.

Algum remédio não é indicado?

Não é recomendado que as pessoas tomem antibióticos ou medicações com ação mais sérias, como os corticoides.

Os anti-inflamatórios, como aspirina, ibuprofeno ou diclofenaco, também não são recomendados porque impedem que o organismo passe pelo processo inflamatório natural necessário para gerar a resposta imunológica após a vacina.

Qual é a duração esperada das reações?

O normal é que as reações adversas durem até dois dias, sendo pouco frequente o prolongamento delas. “É esperado que poucas horas ou até poucos dias após a vacina, as pessoas tenham alguns efeitos adversos leves”, afirma o médico André Bon, infectologista do Hospital Brasília.

Segundo Bon, alguns efeitos adversos mais graves podem ocorrer alguns dias ou até semanas depois. No entanto, eles são “eventos muito raros e que não desabonam a necessidade da vacinação”.

Todo mundo vai sentir reações?

Não. Segundo os infectologistas, isso varia de pessoa para pessoa e não há como prever. Algumas podem não sentir absolutamente nada e outras desenvolver sintomas mais intensos.

As vacinas podem provocar reações graves?

David Urbaez conta que, em casos muito raros, as vacinas podem provocar reações adversas graves como a anafilaxia, uma reação alérgica aguda. Casos assim foram relatados com as vacinas da Pfizer e Moderna, feitas com plataforma de RNA mensageiro.

“Acontece em raríssimas vezes, em menos de 1% dos vacinados. A incidência é realmente muito baixa. Como todos nós já sabemos dessa informação, basta observar as pessoas por 30 a 60 minutos após a injeção”, explica o médico.

Saiba como as vacinas contra Covid-19 atuam:

0

 

Últimas notícias