metropoles.com

Entenda se o Carnaval 2023 pode levar a uma nova onda de Covid

Especialistas em saúde acreditam que as aglomerações em todo o país nos quatro dias de Carnaval podem levar ao aumento de casos de Covid

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
Imagem colorida - foliões brincam Carnaval na rua - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida - foliões brincam Carnaval na rua - Metrópoles - Foto: Getty Images

Depois de três anos de altos e baixos com a Covid-19, os brasileiros se preparam para pular Carnaval novamente. O número de mortes provocadas pela doença está em queda e o de novos casos segue estável, conferindo uma sensação de maior segurança ao folião. Mas especialistas temem que as aglomerações dos próximos dias impulsionem o aumento de novos diagnósticos.

“Certamente o Carnaval vai causar algum impacto nos 10 a 15 dias depois do próximo fim de semana. Provavelmente vamos ver um aumento de casos e também de óbitos”, avalia o vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) Cláudio Maierovitch, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz Brasília (Fiocruz).

O infectologista David Urbaez, do Exame Medicina Diagnóstica, conta que o país vive uma fase diferente da pandemia graças ao avanço da vacinação e à imunidade conferida por infecções recentes, o que deve proteger a população geral de evoluir para casos mais graves e mortes.

“Você teria uma imunidade híbrida. Hoje, a Covid-19 se apresenta com muito menos intensidade, internações, casos graves e óbitos”, ressalta.

Como se proteger?

Alguns foliões mais precavidos avaliam a possibilidade de pular o Carnaval de máscara, mas para a maioria é inviável pensar em usar a proteção enquanto sobe as ladeiras de Olinda, pula atrás dos blocos de Salvador ou passa o dia sob o sol do Rio de Janeiro.

Neste sentido, os infectologistas recomendam que a população ao menos tenha o cuidado de atualizar o cartão de vacinação contra a Covid-19 com as duas doses do esquema primário e os reforços disponíveis.

Um estudo feito pelas universidades federais do Oeste da Bahia (UFOB) e de São Paulo (Unifesp), em parceria com a Fapesp, mostrou, em janeiro, que a terceira dose da vacina contra a Covid-19 é eficaz para neutralizar a variante Ômicron do coronavírus. Os cientistas observaram que os vacinados têm mais anticorpos capazes de neutralizar o vírus.

As pessoas com sintomas da Covid-19, por mais leve que sejam, devem pensar no coletivo: o ideal é fazer o teste e seguir o isolamento para evitar a transmissão do vírus especialmente para os mais vulneráveis, como idosos, gestantes e pessoas com o sistema imunológico fragilizado.

0

Proteção para os mais vulneráveis

As pessoas não vacinadas ou que tenham um sistema imunológico mais vulnerável às infecções devem ter atenção redobrada nos próximos dias. “Elas devem permanecer com todos os dispositivos de proteção, incluindo evitar aglomerações e usar máscara em locais fechados”, afirma Urbaez.

O médico recomenda que, ao notar os primeiros sintomas, essa população procure atendimento médico para iniciar imediatamente os tratamentos disponíveis para que a doença não se agrave.

24 horas sem mortes

O Brasil teve no domingo (12/2) o primeiro dia sem registro de mortes por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). No mesmo dia, foram contabilizados 298 novos diagnósticos da doença no país inteiro.

Embora sejam dados animadores, os especialistas em saúde são cautelosos quanto ao número. Maierovitch lembra que os dados do fim de semana costumam ser contabilizados com atraso devido às divergências nos serviços de contabilidade dos estados. “Ainda quero ver como serão esses números depois de corrigidos”, comenta.

Maierovitch entende que o brasileiro está mais otimista, mas lembra que o coronavírus ainda mata todos os dias, especialmente as pessoas mais vulneráveis. “Existe um clima geral de otimismo que se mistura com vários fatores. O brasileiro está otimista com a democracia, com a economia e, consequentemente, fica com a saúde também, mas ainda vivemos uma pandemia que causa consequências importantes”, afirma.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia