Covid-19: OMS pede que não se use remédio sem eficácia confirmada

Organização afirmou ainda que vacina deve demorar pelo menos 18 meses e reforçou importância do distanciamento social

atualizado 27/03/2020 15:57

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou nesta sexta-feira (27/03) que há mais de meio milhão de casos confirmados de coronavírus reportados à entidade, com mais de 20 mil mortes, e voltou a alertar sobre a necessidade de que os países façam mais testes para controlar a doença. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse em entrevista coletiva que uma vacina para o coronavírus ainda deve demorar “pelo menos 18 meses”, mas lembrou que há testes em andamento.

Ghebreyesus insistiu, porém, para que as pessoas não usem remédios que não tenham eficácia comprovada, diante dos riscos à saúde gerados com esse comportamento.

A OMS insiste na importância de que se realizem testes para identificar a doença, isolar os casos positivos e cuidar dos mais graves. “Muitos países mostram que o vírus pode ser controlado com medidas agressivas”, disse a entidade. “O coronavírus pode causar doença leve, moderada, grave ou matar”, lembrou a OMS, comentando também que a doença é “significativa”, por causar “doença severa em muitas pessoas”.

Mesmo no caso das crianças, em que a maioria desenvolve sintomas leves, há registros de casos graves, advertiu a OMS. A entidade lembrou ainda que a doença já é transmitida em seus estágios iniciais, por isso a importância do distanciamento para conter os contágios. “A distância física é recomendada para impedir que o vírus passe de uma pessoa para outra”, reafirmou.

O diretor-geral também lembrou que participou nessa quinta-feira (26/03) de uma videoconferência com líderes do G-20. Ele agradeceu o compromisso dessas nações na luta contra a pandemia e elogiou o esforço global nessa causa.

Últimas notícias