Coronavírus: China muda forma de registro e casos saltam 33,8%

Só confirmações por testes com ácido nucleico contavam. Agora, são incluídos diagnósticos clínicos. Mortes vão a 1.368, com 60,3 mil casos

atualizado 13/02/2020 10:22

Reprodução

Autoridades de saúde chinesas anunciaram, na manhã desta quinta-feira (13/02/2020) no país (ainda noite de quarta, 12 de fevereiro, no Brasil), que o número de casos confirmados de coronavírus cresceu 33,8%, o que levou o total mundial a ao menos 60.327 no mundo todo – foram cerca de 15,1 mil novos registros em 24h. No mesmo período, as mortes foram a 1.368, uma elevação menor, mas mesmo assim muito significativa, de 22,8%.

A aparente explosão de confirmações foi gerada pela revisão nos critérios oficiais para a contagem dos afetados pela doença. Até quarta-feira (12/02/2020), a China relatava na sua medição apenas os casos confirmados pelos exames feitos com ácido nucleico. A orientação oficial, contudo, vinha sendo muito questionada por especialistas, que apontavam suposta subnotificação da gravidade do problema. Agora, as autoridades locais passaram a incluir na contagem os pacientes diagnosticados clinicamente.

Na tarde dessa quarta-feira (12/02/2020), o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, havia afirmado que, embora o número de casos de coronavírus na China tivesse caído nos últimos dias, não existiam informações suficientes para prever quando o avanço da doença será completamente contido.

“O surto ainda pode ir para qualquer direção“, declarou o diretor,  em entrevista coletiva concedida em Genebra, na Suíça.

No Brasil, também na tarde dessa quarta, o Ministério da Saúde informou que 11 pessoas aguardam o resultado do exame para confirmar ou descartar a infecção por coronavírus e, por isso, são tratados como casos suspeitos. Na terça-feira (11/02/2020), quando havia sido divulgado o boletim anterior, o número de casos suspeitos era de oito.

Últimas notícias