metropoles.com

Conheça os tipos de diabetes. Doença afeta 12,5 milhões de brasileiros

A enfermidade é crônica e pode acometer pessoas de todas as idades. Sobrepeso e hereditariedade são fatores de risco

atualizado

Compartilhar notícia

Towfiqu Photography, Getty Images
Foto colorida: pessoa posiciona dedo indicador em teste de diabetes - Metrópoles
1 de 1 Foto colorida: pessoa posiciona dedo indicador em teste de diabetes - Metrópoles - Foto: Towfiqu Photography, Getty Images

A diabetes é uma doença crônica classificada como uma das maiores ameaças à saúde em 2019, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, cerca de 12,5 milhões de pessoas têm a doença, ficando somente atrás da China, Índia e EUA. E o número tende a crescer nos próximos anos, visto que 14 milhões dos brasileiros são pré-diabéticos, de acordo com a Federação Internacional de Diabetes

Os sintomas da diabetes podem variar dependendo do tipo da doença, no entanto, de forma geral, são: sede intensa, urina em excesso e coceira no corpo. Sobrepeso e histórico familiar são fatores de risco.

A doença pode ser dividida em três tipos:

  • Tipo 1: o pâncreas não produz insulina, que é o hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue. Mais comum em crianças e jovens, a doença ocorre em cerca de 5 a 10% do total de pacientes diagnosticados com diabetes. Os portadores do tipo 1 necessitam de injeções diárias de insulina para manter a glicose no sangue em valores normais.
  • Tipo 2: o mais comum da doença, totalizando quase 90% dos casos. Ocorre quando o paciente desenvolve resistência à insulina ou produz quantidade insuficiente do hormônio. O tratamento inclui atividades físicas regulares e controle da dieta.
  • diabetes gestacional:  acomete grávidas que geralmente têm histórico familiar da doença. A resistência à insulina ocorre especialmente a partir do segundo trimestre e pode causar complicações para o bebê, como má formação, prematuridade e problemas respiratórios, entre outros.

Qualquer que seja o tipo da doença, o principal tratamento é controlar os níveis de glicose. Segundo a nefrologista Zaida Jimenez, uma alimentação saudável e a prática regular de exercícios ajudam a manter o peso saudável e os índices glicêmicos e de colesterol sob controle. “Os exercícios físicos ajudam a diminuir a glicemia, além de evitar doenças cardiovasculares e até degenerativas, como o Mal de Alzheimer”, argumenta a médica.

Além do rígido controle glicêmico, o paciente com diabetes precisa ficar atento aos desdobramentos da doença. Por isso, os exames de rotina são importantes, bem como o acompanhamento de outros médicos, como oftalmologista, cardiologista e nutricionista.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações