Confira 4 hábitos que você precisa adotar para evitar um AVC

O AVC é uma das doenças que mais matam no Brasil. Tratamento imediato pode prevenir sequelas mais graves e salvar a vida do paciente

atualizado 10/08/2022 15:03

Foto colorida de um AVCVSRao/https://pixabay.com

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é causado por problemas na circulação sanguínea do cérebro. Na maioria dos casos, os sintomas aparecem de maneira repentina, sem aviso prévio.

Hoje, o AVC é uma das causas de morte mais comuns no Brasil. De acordo com um levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN), 35.127 pessoas morreram no Brasil por AVC somente nos primeiros quatro meses de 2022. Mas o tratamento imediato pode salvar a vida do paciente, além de evitar sequelas mais graves.

Existem dois tipos de AVCs: um é caracterizado pela interrupção do fluxo de sangue (isquêmico) e o outro, pelo rompimento de um vaso sanguíneo (hemorrágico). Em ambos os casos, se a pessoa sentir os primeiros sintomas, deve procurar assistência médica com urgência.

“A obstrução de um vaso sanguíneo no cérebro faz com que uma parte do órgão fique sem o oxigênio necessário. É justamente quando a irrigação do vaso se interrompe que o paciente começa a apresentar os sintomas. Nesse momento, ele deve procurar um médico”, explica o médico Daniel Abud, coordenador do serviço de neurorradiologia intervencionista do Hospital 9 de Julho, em São Paulo.

Hábitos para evitar um AVC

Os fatores que levam a um AVC estão diretamente ligados a problemas no sistema circulatório. Para evitar o acidente, é importante fugir de alguns hábitos que aumentam o risco de desenvolver os coágulos que causam a condição. Entre eles, estão:

  1. Parar de fumar: a fumaça do cigarro contém nicotina e monóxido de carbono. Os agentes causam danos ao sistema circulatório e contribuem para aumentar o risco de AVC.
  2. Controlar a pressão alta: a pressão arterial alta é o principal fator de risco para ter um AVC. Pessoas com histórico familiar da doença devem procurar avaliação e acompanhamento médico. Ao aferir a pressão arterial, o ideal é que os marcadores fiquem próximos de 120 por 80 mmHg, patamar popularmente conhecido como “12 por 8”. Para atingir esse nível, uma alimentação saudável e equilibrada pode ser a solução.
  3. Manter o peso equilibrado: o excesso de peso está diretamente ligado ao risco de desenvolver doenças no sistema circulatório. De acordo com Abud, qualquer perda de peso tem impacto positivo na saúde.
  4. Alimentação saudável: dietas ricas em gordura saturada e gordura trans aumentam os níveis de colesterol no sangue. A alimentação ruim leva ao acúmulo de gordura nas artérias, causando problemas na circulação.

Apesar de alguns dos fatores que causam a condição serem evitáveis, o aumento da idade, história familiar para a doença e infartos anteriores aumentam o risco de ter o problema.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

Primeiros sinais

Entre os sinais sentidos pelos pacientes no momento do acidente podem constar:

  • Perda da força, adormecimento e paralisia do rosto, ou até mesmo de membros de um lado do corpo;
  • Perda de visão, visão turva, visão dupla e sensação de estar enxergando uma “sombra”;
  • Dificuldade para falar ou entender frases;
  • Desequilíbrio, tontura, falta de coordenação motora ao caminhar e queda súbita;
  • Dificuldade para engolir.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias