Câncer de mama: Saúde se preocupa com demanda represada durante a pandemia

Durante lançamento da campanha alusiva ao Outubro Rosa, ministro da Saúde mostrou preocupação com queda em diagnósticos e tratamentos

atualizado 07/10/2020 15:10

O Ministério da Saúde lançou, nesta quarta-feira (7/10), a campanha do Outubro Rosa 2020. Durante o evento, o ministro Eduardo Pazuello destacou a importância da retomada dos atendimentos, tratamentos e diagnósticos relacionados ao câncer de mama que foram prejudicados pela pandemia da Covid-19.

O ministro da Saúde comparou a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama ao protocolo da Covid-19. “É a mesma coisa. Quanto mais cedo, procurarmos um médico com os sintomas de Covid-19, mais cedo somos atendidos, tratados e vamos ficar bons. Quanto mais cedo procurarmos um médico com sintomas de câncer de mama ou outros cânceres, maiores são as chances de sucesso no tratamento”, afirmou Pazuello.

Sem máscara, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, destacou a importância de retomar a agenda de ações em prol da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e do colo do útero. “Nossas mulheres precisam de informações para que reconheçam os sinais da doença”, disse.

Atendimentos prejudicados pela pandemia da Covid-19
Sem citar dados, Pazuello afirmou que houve uma diminuição do atendimento de todas as doenças na pandemia da Covid-19, que serão somadas às demandas normais de 2021.

“Este represamento e as novas ações que teremos que tomar para dar vazão a esses atendimentos futuros será a segunda onda da pandemia. Esse será o desafio do SUS (Sistema Único de Saúde)”, disse o ministro.

O Ministério da Saúde apresentou a portaria 2.713, que dispõe sobre o pagamento por desempenho no âmbito do Programa Previne Brasil. Os municípios brasileiros e o Distrito Federal receberão recursos do governo federal ao realizar atividades preventivas relacionadas à saúde da população.

Mais lidas
Últimas notícias