AstraZeneca diz que, por enquanto, não vai vender vacina para setor privado

Empresa afirmou nesta terça-feira (26/1) que todas as doses da vacina contra o coronavírus já estão reservadas para governos e coalisões

atualizado 26/01/2021 14:15

Seringas de vacinaPixabay

Um dia depois de o governo federal sinalizar que pretende permitir que empresas privadas comprem a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca, a farmacêutica afirmou que, “no momento, todas as doses da vacina estão disponíveis por meio de acordos firmados com governos e organizações multilaterais ao redor do mundo, incluindo a Covax Facility, não sendo possível disponibilizar vacinas para o mercado privado”.

Em um comunicado à imprensa, a AstraZeneca afirmou que, nos últimos sete meses, a empresa tem trabalhado “incansavelmente” para cumprir o compromisso de “acesso amplo e equitativo no fornecimento da vacina para o maior número possível de países ao redor do mundo”.

A empresa reforçou que cumprirá o acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para o fornecimento de mais de 100 milhões de doses da vacina desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford.

Na semana passada, o governo federal enviou uma carta à farmacêutica AstraZeneca na qual sinalizou que permitiria ao setor privado brasileiro adquirir cerca 33 milhões de doses do imunizantes – sendo que a metade deles deveria ser doada ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Nesta terça-feira (26/1), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu a ideia durante a Conferência de Investimentos na América Latina, promovida pelo banco Credit Suisse. O presidente repetiu que o plano é que 16,5 milhões das doses adquiridas pelos empresários sejam doadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) para serem incorporadas ao Programa Nacional de Imunização. “As outras 16,5 milhões ficariam com esses empresários para que fossem vacinados seus empregados, para que a economia não parasse”, disse Bolsonaro.

0

 

Últimas notícias