Anvisa faz alerta sobre casos de Guillain-Barré pós vacinação da Covid

Agência recebeu 34 relatos até o momento, mas reforça que situação não é comum, tem cura e imunização deve continuar

atualizado 29/07/2021 11:52

Centro de produção da vacina Coronavac no Instituto Butantan em SPFábio Vieira/Metrópoles

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu alerta nesta quarta-feira (28/7) sobre casos raros de síndrome de Guillain-Barré pós-vacinação contra a Covid-19. O Brasil teve 34 notificações até o momento — 27 depois do imunizante da AstraZeneca, três pós-Janssen e quatro após a Coronavac.

A condição é um distúrbio neurológico autoimune raro, onde o organismo ataca e danifica as células nervosas. A relação entre a síndrome e a vacinação é conhecida, e já foi constatada após a administração de imunizantes contra a gripe. A maioria dos pacientes se recupera completamente do distúrbio, que é perigoso quando acomete os músculos respiratórios e não é tratado a tempo.

Os principais sintomas são dormência ou queimação nas extremidades dos membros inferiores, que progride para as mãos e braços. Em cerca da metade dos casos há também a chamada dor neuropática na região lombar ou nas pernas. Outro sintoma comum é a fraqueza progressiva, que sobe dos membros inferiores até o pescoço e cabeça.

O órgão alerta que pessoas vacinadas que tiverem os sintomas, ou ainda visão dupla, dificuldade de mover os olhos, dificuldade de engolir, falar ou mastigar, problemas de coordenação, dificuldade para caminhar e problemas com o controle da bexiga e função intestinal devem procurar ajuda médica imediatamente.

A Anvisa ressalta ainda que a vacinação deve continuar acontecendo, uma vez que os benefícios superam os riscos e os casos de Guillain-Barré são raros. A agência determinou que as empresas responsáveis pelas vacinas coloquem informações sobre a doença na bula.

Saiba como as vacinas contra Covid-19 atuam:

0

Últimas notícias