A seca chegou. Dicas de cuidados para a pele do corpo e da boca

Os cuidados com a hidratação precisam aumentar, pois o ressecamento da pele pode gerar problemas mais graves, além do desconforto

Werayuth Tessrimuang / EyeEm, Getty ImagesWerayuth Tessrimuang / EyeEm, Getty Images

atualizado 22/07/2019 19:00

O período seco e frio maltrata a pele. O ressecamento é bastante comum, além de os lábios racharem e de aparecerem manchas vermelhas na pele. Em casos mais graves, o ressecamento pode, inclusive, evoluir para enfermidades, como dermatites e psoríase.

Segundo o médico Wesley Ferreira, que atende na clínica Singular, em Brasília, a temperatura do banho e o tempo debaixo do chuveiro devem estar entre os principais pontos a serem observados com cuidado nesse período. O especialista ressalta que, para não perder a camada da pele chamada de lipídio – que serve como uma espécie de proteção contra o ressecamento –, é preciso maneirar no banho quente. Não há, no entanto, um período mínimo ou máximo, porque isso depende da sensibilidade de cada um. “Com o tempo mais frio, a tendência é a pessoa tomar banhos mais quentes e prolongados, mas isso é ruim para a pele”, alerta.

Outra dica importante é utilizar um óleo durante o banho, para criar uma espécie de “filme protetor”. O médico recomenda produtos destinados à pele de bebê. “Todos os produtos de bebê são mais delicados e têm menos substâncias que irritam a pele, por isso são bons para o uso contínuo”, explica. No entanto, óleos são apenas complementos, não têm o mesmo efeito dos hidratantes, que são praticamente obrigatórios neste período. Ao sair do banho, o ideal é esperar mais ou menos três minutos e aplicar o hidratante habitual. Caso sinta a pele ressecada ao longo do dia, a indicação é reaplicar a loção.

Quando está ressecada, a pele fica mais fragilizada, e isso pode levar a lesões e coceiras – que podem, inclusive, propiciar a entrada de bactérias. O clima também exige a ingestão de pelo menos 2 litros de água e o uso diário de manteiga de cacau para que os lábios não ressequem.

Os lábios são uma parte bastante sensível do corpo e, por isso, merecem atenção redobrada. Alguns só racham, mas há casos de queilite, que é uma inflamação provocada pelo ressecamento em que a boca fica cheia de lesões. Para esses casos, Ferreira recomenda um protetor labial mais reforçado, à base de ácido hialurônico. O especialista faz ainda outra recomendação importante: evite molhar os lábios achando que os está protegendo. “Há pessoas que têm o péssimo hábito de morder ou passar a língua nos lábios, mas a saliva é uma enzima e, por isso, pode acabar prejudicando ainda mais a pele”, finaliza.