metropoles.com

PCC proíbe maconha sintética na Cracolândia porque atrapalha o tráfico

Segundo a Polícia Civil, PCC deu ordem contra venda de maconha sintética na Cracolândia, porque efeitos colaterais atrapalhavam o tráfico

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
GCM dobrou o fluxo de agentes na região da Cracolândia
1 de 1 GCM dobrou o fluxo de agentes na região da Cracolândia - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

São Paulo – O Primeiro Comando da Capital (PCC) deu ordem para proibir a venda de maconha sintética, droga conhecida como spice, na região da Cracolândia, no centro da capital paulista, de acordo com a Polícia Civil.

Maior facção criminosa de São Paulo, o PCC domina o território da Cracolândia e já teve o faturamento estimado em até R$ 200 milhões por ano com o tráfico de drogas naquela área, segundo apontam investigações realizadas nos últimos anos.

Uma interceptação telefônica recente mostra, no entanto, que a facção decidiu que não vale mais a pena comercializar a maconha sintética para os usuários daquela área. Segundo policiais, o motivo é que os efeitos colaterais provocados pela droga estariam atraindo a presença de agentes públicos e atrapalhando o tráfico, em geral.

“Em uma das conversas monitoradas, houve uma ordem do PCC proibindo a venda da maconha sintética, conhecida como spice, porque estava causando muito mal às pessoas”, afirmou o delegado Ronaldo Sayeg, diretor Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc). “(As pessoas) têm de ser socorridas, então chama mais atenção do que normalmente o tráfico de crack chama.”

Operação

Entre os efeitos, a maconha sintética é capaz de provocar psicose, paranoia, taquicardia e arritmia. Os usuários também podem assumir comportamento mais agressivo, o que teria impacto no aumento de conflitos entre os presentes na Cracolândia.

Segundo Sayeg, o PCC chegou a dar prazo de tolerância, que terminou do dia 1 de fevereiro, para que o estoque remanescente da droga fosse vendido no território. A descoberta faz parte da investigação que resultou em operação deflagrada nessa quinta-feira (2/2).

Com foco em traficantes que abastecem o fluxo, a operação do Denarc terminou com 11 pessoas detidas. Entre elas, estava um jovem menor de 18 anos e uma mulher grávidas, que entrou em trabalho de parto na delegacia.

Os policiais também apreenderam dois veículos, supostamente usados para a logística do tráfico, cerca de quatro quilos de crack, oito quilos de maconha e R$ 15 mil em dinheiro.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?