metropoles.com

MPSP aprova acordo de R$ 786 mi com ViaMobilidade por falhas em trens

Acordo entre ViaMobilidade e MPSP prevê indenização de R$ 150 milhões e antecipação de R$ 636 milhões em investimentos nas linhas 8 e 9

atualizado

Compartilhar notícia

William Cardoso/Metrópoles
Imagem colorida mostra trem passando na linha 9 da CPTM, administrada pela ViaMobilidade, em São Paulo, enquanto pessoas esperam pelo lado de fora - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida mostra trem passando na linha 9 da CPTM, administrada pela ViaMobilidade, em São Paulo, enquanto pessoas esperam pelo lado de fora - Metrópoles - Foto: William Cardoso/Metrópoles

São Paulo — O Conselho Superior do Ministério Público de São Paulo (MPSP) homologou o acordo firmado com a ViaMobilidade, que prevê o pagamento de R$ 786 milhões pelas falhas ocorridas desde o início da concessão das linhas de trem 8-Diamante e 9-Esmeralda, em janeiro do ano passado, em São Paulo.

O valor é composto de uma multa de R$ 150 millhões como indenização por danos morais coletivos, mais a antecipação de investimentos por parte da concessionária.

Para atender a recomendações do MPSP, a ViaMobilidade terá que antecipar R$ 117 milhões em investimentos como a substituição de trilhos e também de dormentes de madeira por outros feitos de concreto. Também estão previstas obras de engenharia civil, entre outras intervenções.

A própria concessionária propôs a antecipação de outros investimentos que estavam previstos no contrato, totalizando R$ 519 milhões. Desse total, R$ 251 milhões serão investidos em um dos principais gargalos da operação das linha 8 e 9, o setor de energia e rede aérea, como os cabos que tornam possível o funcionamento dos trens.

O acordo entre o MPSP e a ViaMobilidade contou com a anuência do governo Tarcísio de Freitas (Republicanos).

Sobre a indenização, a ViaMobilidade afirmou que R$ 3 milhões serão depositados no Fundo de Interesses Difusos e R$ 147 milhões serão direcionados a investimentos que não estavam previstos originalmente no contrato de concessão. A concessionária terá um prazo de quatro anos para executar esse valor.

Histórico

O acordo entre MPSP e ViaMobilidade cita uma série de falhas graves ocorridas ao longo do período de concessão.

Foram seis descarrilamentos entre 21 de agosto e 30 de março deste ano. Também há menção à colisão de um trem contra a plataforma da Estação Júlio Prestes, em 10 de março de 2022, e o desprendimento de dois vagões de uma composição em 18 de março do ano passado, em Osasco.

As falhas na operação das linhas 8 e 9 têm sido constantes e causado transtornos aos passageiros, que enfrentam lentidão nos trens e até mesmo a suspensão dos serviços por horas.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações