metropoles.com

Japa do PCC: Justiça converte prisão em flagrante em preventiva

A Japa do PCC foi presa no dia 8/2 suspeita de ser a responsável pela lavagem de dinheiro da facção criminosa na Baixada Santista

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
Reprodução da foto 3x4 de Karen. Ela é uma mulher de cabelos lisos e negros e viúva de Cabelo Duro, um antigo líder do PCC - Metrópoles
1 de 1 Reprodução da foto 3x4 de Karen. Ela é uma mulher de cabelos lisos e negros e viúva de Cabelo Duro, um antigo líder do PCC - Metrópoles - Foto: Reprodução

São Paulo – A Justiça de São Paulo converteu nesta segunda-feira (12/2) a prisão em flagrante de Karen de Moura Tanaka Mori, conhecida como Japa do PCC, de 37 anos, em preventiva.

Ela foi presa na última quinta-feira (8/2) suspeita de ser a responsável pela lavagem de dinheiro da facção criminosa na Baixada Santista.

A Japa do PCC é viúva de Wagner Ferreira da Silva, o Cabelo Duro, executado durante guerra interna da facção criminosa em 2018. Após a morte dele, segundo a polícia, ela teria assumido os negócios do marido.

0

No apartamento de Karen, no Jardim Anália Franco, Tatuapé, os agentes apreenderam R$ 1 milhão e US$ 50 mil em dinheiro. Durante interrogatório, ela alegou à polícia que tem como comprovar a origem do dinheiro e que a quantia encontrada refere-se à “abertura e venda de estabelecimentos comerciais”.

Ao converter o flagrante em prisão preventiva, o juiz Fábio Pando de Matos, observou, durante audiência de custódia na Vara de Plantão da Capital, que Karen “não apresenta condições financeiras compatíveis com aquilo que foi apreendido na casa dela”.

Na opinião do magistrado, após a morte de Cabelo Duro, a Japa do PCC “assumiu as funções espúrias do marido e passou a administrar os bens ilícitos dele, com aumento substancial de seu patrimônio, gozando de prestígio junto à conhecida facção criminosa”.

De acordo com a Polícia Civil, a Japa do PCC atuava em Santos, Cubatão e Guarujá, no litoral paulista, e na cidade de São Paulo. Para lavar dinheiro da facção, ela usaria comércios na área de beleza, imóveis e uma empresa do seu irmão. O pai dela também é suspeito de participar do esquema.

A investigação que levou à prisão da viúva de Cabelo Duro começou em junho de 2023, em Praia Grande. Ela foi pega em sua casa no Tatuapé, zona leste da capital. Com ela, os policiais apreenderam mais de R$ 1 milhão, além de 50 mil dólares (R$ 250 mil).

Segundo o delegado-geral de São Paulo, Artur Dian, os investigadores chegaram até a Japa do PCC após detectar a movimentação financeira da célula do PCC.

“Os relatórios de informações financeiras obtidos pela Polícia Civil indicam que a suspeita movimentava milhões de reais da facção para ocultar a origem do dinheiro oriundo do tráfico de drogas”, diz Dian.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações