*
 

A professora Anna Trupiano, da escola Kendal Demonstration Elementary School, em Washington, Estados Unidos, compartilhou uma história curiosa que ocorreu com um aluno do primeiro ano do ensino fundamental. O garoto, que é surdo, passou por uma situação complicada e a “tia” foi obrigada a explicar o que rolou.

“Hoje, um dos meus alunos surdos do 1º anos soltou um pum alto na minha sala de aula. Todos os outros estudantes viraram e olharam para ele. A seguir, está um trecho da conversa de 15 minutos, inteiramente na linguagem de sinais, que tive com meus alunos surdos.

Criança 1: Por que estão todos olhando para mim?
Eu: Porque eles ouviram você soltar um pum.
Criança 1: Quueeeee?
Eu: Pessoas que escutam podem ouvir os puns
Criança 2 (totalmente chocada): Peraí, eles podem ouvir todos os peidos?! Eu vou parar de peidar.
Eu: Todo mundo solta pum. É saudável. Você não pode parar.
Criança 3: Espera. Todo mundo? Inclusive minha mãe?
Eu: Sim.
Criança 2: Meu pai?
Eu: Sim.
Criança 1: Você?
Eu: Sim.

Todos começaram a rir escadalosamente

Criança 1: Então, você pode ouvir e cheirar todos os puns?
Eu: Alguns deles sim. Não todos eles.
Criança 2: As pessoas que ouvem podem ver os puns?
Criança 3: Sim! Uma fumaça verde sai da sua bunda. Eu vi na TV.
Eu: Isso não acontece na vida real.
Criança: O que? Ai. Eu não entendo os puns.

Eu estudei por 8 anos para ter essa conversa”

No Twitter, onde o post foi compartilhado, outros professores relataram a mesma questão. “Tive a mesma experiência ensinando meus alunos surdos. Sou o único ouvinte da sala. Eles todos queriam saber o motivo da minha risada”, contou uma pessoa. Muitos também deram parabéns à professora por ter compartilhado a experiência.