iStock

Muitas pessoas não sabem, mas a quantidade de sujeira e bactérias existentes dentro do veículo podem superar a de um banheiro. Saiba quais as partes menos higiênicas do automóvel e como deixar o carango novinho

21/07 5:30 , atualizado em 20/01 12:13

Dizem por aí que, pelo rodar do carro, se conhece quem vem dentro. Essa máxima ganha mais força quando se percebem os potenciais erros e maus hábitos de higiene de muitos motoristas dentro de um veículo. Pesquisas recentes mostram que os automóveis podem ser verdadeiros catalizadores de organismos prejudiciais à saúde e, ainda, celeiros de bactérias e germes, sendo mais sujos, inclusive, do que banheiros públicos.

iStock

Raio-X da sujeira

Pesquisadores da área de ciência biológica e química da Universidade Queen Mary, no Reino Unido, analisaram amostras do ambiente interno de carros e de banheiros públicos e chegaram a uma conclusão para lá de peculiar. Em média, existem 700 bactérias e organismos vivos nos volantes de veículos para cada 6,45cm², o que equivale a quase 10 vezes o número de espécimes encontrados em assentos de banheiros públicos. Realmente, é uma alta concentração de sujeira em um espaço tão pequeno. No entanto, de acordo com especialistas, essa quantidade não precisa ser tratada com hipocondria,já que o organismo do ser humano depende, fundamentalmente, de algumas bactérias para funcionar de maneira correta. Não tem muito a ver com a quantidade, mas sim com o acúmulo de elementos potencialmente perigosos no lugar.

São várias as explicações para o fato de o carro, quando não higienizado de forma correta e regular, se tornar um potencial incubador para colônias de bactérias. A primeira, explica o médico infectologista Werciley Júnior, é a falta de manutenção do ar-condicionado, o que pode gerar sujeira (visível) e também tornar o ambiente favorável à criação de fungos. Além disso, o estudo mostra que comer dentro do carro, outro hábito comum, é fator que aumenta as chances de cultivar um criadouro de organismos ruins sobre quatro rodas. De acordo com Werciley, também contribui para um ambiente insalubre a presença de matéria orgânica no interior do veículo, como folhas e restos de alimentos.

42%dos motoristas afirmam jantar regularmente dentro do veículo

Um ambiente mal higienizado, ainda de acordo com o especialista, pode piorar o quadro alérgico de pessoas que utilizam os carros. “Quando você liga um ar-condicionado sem a higiene adequada, por exemplo, o fungo que está naquele espaço morto, entre o gerador de fluxo e a saída de ar, vai ser levado ao interior, podendo causar doenças pulmonares graves.”

Leonardo Arruda/Metrópolesfoto_3

Outra pesquisa que evidencia ainda mais a importância do cuidado com a limpeza do carro vem da área de biociência da Universidade de Nottingham. Cientistas recolheram, por meio de raspagens, amostras de culturas bacterianas presentes no volante, freio de mão e câmbio. Após a coleta, as espécimes foram incubadas em um laboratório de ambiente controlado, com temperatura entre 25ºC e 35ºC — semelhante ao clima brasiliense. A conclusão foi de que os veículos mais sujos abrigavam sinais de bactérias perigosas à saúde, como a escherichia coli, que pode causar meningite, além da bactéria staphylococcus, potencial causadora de furúnculos e infecções mais graves, como pneumonia e septicemia.

iStock

Para não errar

O risco, porém, pode ser consideravelmente reduzido com bons hábitos e, claro, a realização de serviços adequados. Para Flávio Bonfá, proprietário da RestauraCar, franquia de limpeza automotiva, o principal motivo da falta de cuidado com a higiene é a correria do dia a dia. O interior do carro, segundo ele, deve ser frequentemente aspirado e limpo; uma vez por semana é o suficiente. “Tem criança que entra no carro e o nariz entope na hora. Adulto também”, relata o empresário e pesquisador. Antes fossem apenas esses os problemas da má higienização. “Já encontramos carros infestados de formigas e baratas. Pode ser novo, mas se contaminar com barata é dificílimo de tirar porque é um inseto muito adaptável.”

30%das pessoas afirmam que limpam o interior do veículo apenas uma vez ao ano

Leonardo Arruda/MetrópolesFlávio Bonfá: “É preciso tomar um cuidado gigantesco na hora de estacionar o carro”

Bonfá dá uma dica para exterminar qualquer resquício de umidade no ar-condicionado: com o carro na sombra, abra todas as portas, ligue o motor e o ar-condicionado. Depois mude a temperatura para a mais quente possível e deixe-o ligado durante dez minutos. Isso faz com que as colônias biológicas que estão no duto do ar morram, além de eliminar a umidade. É uma técnica que não requer tanto esforço e pode ser feita, pelo menos uma vez por mês, em casa.

Já o infectologista Werciley Júnior recomenda que as mãos sejam higienizadas com álcool em gel antes de entrar no ambiente do carro. E reforça:

Sempre estamos acumulando detritos. Essas substâncias são restos de partículas orgânicas que vão atuar para o crescimento de fungos e o desenvolvimento de bactérias”Werciley Júnior, infectologista

Cícero Lopes/Metrópoles

Julgue pela capa

Ninguém se orgulha de andar com o carro sujo de barro, poeira ou até sair desfilando com aquele famigerado “me lave” estampado no vidro traseiro. Por isso também é importante cuidar da parte externa do veículo. A principal dica dada por quem gerencia uma loja de ecolavagem, à primeira vista, pode até parecer estranha, mas faz todo o sentido. “Parece coisa de doido, mas evite parar embaixo de árvores”, aconselha Bonfá, que lista o jamelão e a manga como os principais inimigos da pintura de um carro. “O jamelão destrói de maneira quase que irremediável. Já tivemos serviços de 48 horas, direto, para poder tirar a marca causada pela fruta em um carro branco.”

Além de cair sobre os veículos, podendo amassar ou sujar a lataria, animais como aves e morcegos costumam usar galhos como “banheiros”. Aí a coisa fica mais feia ainda, pois no capô não tem descarga.

As partes mais sujas do carro

Outro perigo que pode passar despercebido e trazer risco à saúde, segundo Bonfá, são as rodas. Como os pneus rodam milhares de quilômetros em vias e ambientes diferentes, acabam fazendo com que a parte inferior do veículo se torne um verdadeiro antro de feromônios de cachorros, gatos e outros animais. Se o motorista não se atentar, a urina desses animais, principalmente do cão, pode degradar as partes do automóvel, como rodas e pneus.

O empresário alerta também para os tubos que ficam em tetos de garagens. Caso estejam trincados, podem sujar os veículos com água suja e outros detritos. “É preciso tomar um cuidado gigantesco na hora de parar o carro”, avalia Bonfá.

iStock

Ecolavagem:
menos desperdício,
mais limpeza

Para alcançar um bom resultado na higienização do carango, não basta deixá-lo em uma esquina e pedir para que qualquer lavador realize o serviço. Sobretudo quando estão disponíveis no mercado produtos e serviços que podem ser extremamente efetivos quando aplicados de forma correta e por profissionais especializados. Um exemplo simples é a ecolavagem, técnica que ganhou força nos últimos anos ao eliminar quase que completamente a utilização de água.

A chegada da limpeza a seco no Brasil, no início dos anos 2000, foi vista com um misto de espanto e desconfiança pelos consumidores, já que muita gente acreditava, de forma equivocada, que o processo acabava por sujar ainda mais os veículos. Profissional da área ambiental, Flávio Bonfá resolveu recorrer à pesquisa acadêmica para dar início à RestauraCar.

A cada carro limpo com o processo de ecolavagem, quase 400 litros de água são economizados. Equivale a 20 galões de 20 litros

Após estudos, o empresário passou a adotar as melhores práticas para realizar a higienização, sempre de forma precisa e ecologicamente correta. A ecolavagem é um exemplo. Com o processo tradicional, retira-se a sujeira com jato d’água e sabão. Além do natural desperdício, o método acarreta alguns problemas. Substâncias presentes em água de baixa qualidade, como cloro e algicidas, acabam por atacar o verniz da pintura. Além disso, a força exercida pelo jato para limpar determinadas áreas do veículo pode danificar ainda mais a lataria. Isso acontece porque a sujeira se armazena nas microrranhuras da lataria e se fixa ainda mais quando o automóvel está em movimento.

Os produtos químicos utilizados na ecolavagem soltam essas sujeiras sem a necessidade de riscar a lataria e muito menos de espalhá-la descontroladamente à força, necessitando apenas de uma limpeza com pano após a aplicação. Esse tipo de serviço economiza até 400 litros de água por lavagem.

Outras técnicas utilizadas pela RestauraCar também tiram proveito de pesquisas para alcançar melhor eficiência no processo de limpeza. Na higienização interior, por exemplo, o gás ozônio é utilizado como sanitizante e ajuda a combater as bactérias. É feita também uma limpeza robusta na parte de dentro (porta-malas, estepe, ferramentas) com produtos naturais à base de menta, que impedem o crescimento de colônias de organismos vivos.

Leonardo Arruda/Metrópoles

Brilho renovado

Já para quem deseja ver a pintura brilhando, uma boa saída é o glass-coating, também conhecido como vitrificação. No processo, são aplicados produtos que transformam o verniz do carro em uma camada de vidro.


Glass-coating/vitrificação

0

O pesquisador e proprietário da RestauraCar compara o espelhamento de pintura ao processo de engraxar um sapato. Nesta técnica, o verniz do carro e as microrranhuras são cobertos com uma resina de polissilazano (polímero muito durável e resistente), criando uma nova camada. Após o polimento, o brilho da lataria é ressaltado, dando ao carro um aspecto de recém-saído da concessionária. O método também protege o carro contra sujeira pesada e eventuais riscos.

Leonardo Arruda/Metrópoles

O que eu faço?

Conheça qual o melhor serviço para cada tipo de necessidade que o carro exige

“Estacionei debaixo de uma árvore e uma pomba atingiu meu carro em cheio…”
Ecolavagem

Feita com materiais ecologicamente corretos, como shampoos biodegradáveis, e reúso de água. Conta com aspiração intensa e higienização do sistema de ar-condicionado
Preço: R$ 70
Duração do serviço: até 2 horas

Ecolavagem com cera

Ecolavagem com cera composta por óleos vegetais e sem materiais corrosivos, que aumenta o brilho do verniz do automóvel.
Preço: R$ 90
Duração: até 2 horas

Impermeabilização de vidros

São utilizados produtos que corrigem microdefeitos em para-brisas e retrovisores. Além disso, a técnica cria uma camada impermeável que faz a água escorrer mais rápido.
Preço: R$ 120
Duração: até 2 horas

“Quero que a aparência do meu veículo fique do jeitinho que saiu da fábrica!”
Glass-coating/vitrificação

São aplicados produtos à base de óxido de alumínio e compostos orgânicos voláteis, óleo vegetal, isoparafina e propilparabeno sobre o ferro da carroceria, que chega até o verniz e muda a composição molecular da pintura. Depois, é aplicado um vitrificante e, então, o verniz ganha uma proteção acrílica de 0,6mm resultando em um brilho maior da carroceria. Porém, não é uma técnica que repara arranhões.
Preço: R$ 600
Duração: até 6 horas

Espelhamento

Tem como objetivo revitalizar a pintura, deixando-a mais brilhante e homogênea, livre dos pequenos riscos e arranhados.
Preço: R$ 400
Duração: até 6 horas

Reparos nas partes metálicas

Diferentemente da revitalização da pintura, aqui é feito um reparo com uma nova tinta aplicada no carro.
Preço: R$ 120
Duração: até 6 horas

Polimento dos faróis

Técnica precisa para revitalizar faróis foscos e amarelados pelo sol. Utiliza os mesmos materiais usados em laboratórios óticos para polimento de lentes.
Preço: R$ 120
Duração: até 2 horas

“A parte de dentro do meu carro é mesmo um chiqueiro”
Turbo-combo hidratação

Engloba ecolavagem, higienização de ar-condicionado, hidratação dos bancos de couro, revitalização de pintura e limpeza de motor a seco.
Preço: R$ 700
Duração: até 6 horas

Turbo-combo higienização

Indicado para carros que não têm bancos de couro. Reúne serviços de ecolavagem, higienização do ar-condicionado, limpeza interna, revitalização da pintura e limpeza de motor a seco.
Preço: R$ 700
Duração: até 6 horas

Higienização e limpeza interna

O interior do carro é desmontado e é feita a limpeza de cada parte (forração, carpetes, bancos, porta- malas etc.). São utilizados bactericidas e fungicidas.
Preço: R$ 400
Duração: até 6 horas

Hidratação dos bancos de couro

Recupera o banco de couro tirando a gordura com produtos específicos. Para prevenir desgastes também é feita uma restauração da cor e do Ph original do couro.
Preço: R$ 400
Duração: até 6 horas

“Quero um melhor desempenho para o meu carango!”
Limpeza de motor a seco

Feito com desengraxantes, querosene, reagentes químicos e pincéis. O brilho do motor é recuperado e mangueiras e correias são hidratadas, aumentando o tempo de vida das peças.
Preço: R$ 250
Duração: até 6 horas

“Xiii, amassou!”
Peça Fix Dent Normal

É uma alternativa ao famoso martelinho de ouro. O método usa o choque térmico, aquecedores e gás CO2 para reparar pequenos amassados, fazendo com que o carro volte à aparência anterior.
Preço: R$ 400 a R$ 500
Duração: até 2 horas

Dependendo do caso, pode haver variação dos preços e do tempo de duração do serviço

iStock

8mitos e verdades sobre a lavagem a seco

305 Norte (61) 3964-0505 Brasília Shopping G1 (61) 3964-0443 Brasília Shopping G2 (61) 3034-3455 Nova Iguaçu (21) 2765-3339 Cabo Frio (22) 2465-3198 Águas Claras Shopping Felicitá(*) (61)3425-5612 Taguatinga Shopping (61) 3563-7637 Brasília Shopping (61) 3964-0443 Conjunto Nacional (61) 3033-6100
Liberty Mall (61) 3710-4437 Sudoeste/SIG (61) 3344-1164 305 Norte (Posto BR) (61) 3964-0505 313 Norte (61) 3447-2925 305 Sul (Posto BR) (61) 3703-2165 309 Sul (61) 3443-0432 Lago Sul (QI 5) (61) 3248-3979 SOF Norte (quadra 4) (61) 3234-7815
* antigo Shopping Quê

DIREÇÃO DE JORNALISMO

Lilian Tahan

EDITORA CHEFE

Priscilla Borges

COORDENAÇÃO E EDIÇÃO

Fernando Braga

REPORTAGEM

Álvaro Tadeu

ARTE E INFOGRÁFICOS

Cícero Lopes

EDIÇÃO DE VÍDEO

Gabriel Ramos

FOTOGRAFIA

Leo Arruda

DESENVOLVIMENTO

Saulo Marques