*

Leo Renato

iStock

Empresas terão que investir mais para ter visibilidade no Facebook

Leo Renato
 

Na última semana, o Facebook anunciou que vai mudar o algoritmo para que as publicações de amigos e familiares tenham preferência nas timelines. Com isso, as páginas vão ter que investir mais dinheiro na rede para conseguir ter visibilidade. Agora, não só a qualidade do conteúdo está a prova, mas também o investimento.

A mensagem que o Mark Zuckerberg, um dos fundadores da rede, deseja transmitir com a mudança é simples: “marca, aqui é lugar de pessoas. Portanto, se quiser aparecer para elas no meu espaço, terá que pagar.”

Ainda acho que um conteúdo de qualidade, aquele que ajuda as pessoas, é um caminho para alcançar uma grande audiência. Porém, vai ser inevitável fazer um investimento maior para conseuir atingir todo o público.

Para os usuários, as mudanças são bem positivas, mas, para empresas, nem tanto. Os investimentos na plataforma terão que ser maiores e os anunciantes já perceberam isso, já que impulsionar o conteúdo nas redes sociais é uma realidade para a maioria das empresas. Tanto que o valor direcionado a esse tipo de plataforma em todo o mundo no ano passado no meio digital superou o valor gasto na TV.

Mas o que isso muda em sua vida? Você gostaria de ver mais publicações dos seus amigos e familiares ou de marcas em seu feed de conteúdo? Arrisco a dizer que de amigos e familiares. Na verdade, ainda acho que, no mundo ideal, poderíamos escolher exatamente o que gostaríamos de ver.

Você ainda pode questionar: mas não há mecanismos dentro do próprio Facebook que permite ocultar posts de determinada pessoa ou marca na minha timeline? Existe, mas exige uma tarefa manual: excluir o que não deseja do seu feed. Bom, talvez no período eleitoral, você encontre esse tempo. Se for como em 2014, vai ter muita gente clicando em “desfazer amizade” e “deixar de seguir”.

Não é a primeira vez que o Facebook anuncia que diminuirá o alcance orgânico das páginas. Em meados de 2016, a empresa  informou que priorizaria o conteúdo das pessoas nas timelines.

Das empresas de Zuckerberg, talvez só o WhatsApp consiga ainda fugir da publicidade. As páginas de marcas no Instagram ainda têm um alcance melhor com as publicações em relação ao Facebook. Só nos resta saber até quando.


Leo Renato Bernardes é jornalista e especialista em Marketing e Comunicação Digital

 
 


tecnologiaFacebook
comunicar erro à redação

Leia mais: Ponto de vista