Corrupção no Brasil diminuirá 20% até 2038

Como as gravações de registros estão mais fáceis, o avanço da transparência e a diminuição das corrupções política e social são a tendência

atualizado 28/05/2018 22:25

ISTOCK

Com olhar de quem é apartidário e apolítico, acredito que nos próximos 20 anos a corrupção deve diminuir em 20% no Brasil. E não se trata de astrologia nem premonição. A grande aliada dessa transformação no cenário político será a tecnologia, que tem facilitado a transparência por meio do acesso à informação.

Como as gravações e captações de registros estão mais fáceis, o avanço da transparência e a diminuição das corrupções política e social em nível global são a tendência. A responsabilidade, então, está nas mãos dos cidadãos e depende de como eles vão usar a tecnologia a favor do povo, a fim de incentivar essa transparência.

Pesquisas do Instituto Copenhagen de Estudos do Futuro mostram que o destino do Brasil é cada vez mais incerto, mas de uma coisa temos convicção: o brasileiro sabe se virar. Ele tem o talento de liderar e sabe como sobreviver diante de alto grau de incertezas política, econômica e social. O fato é que o brasileiro é capaz de se reinventar com instinto natural.

Estive em Brasília para participar da comemoração dos 50 anos do UniCeub, no evento Campus do Amanhã. Como pesquisador do futuro, falei sobre o “Olhar para o futuro” e, assim como renomados colegas que lá se apresentaram, mencionei a educação como pilar fundamental para a construção do mundo que queremos.

Combater desigualdades
O Brasil vive um momento de descoberta da transparência por meio do acesso à informação, e o primeiro passo de quem sonha em ter um país transformado é desejar a mudança. O próximo passo rumo ao desenvolvimento começa pela educação dentro de casa. A escola é um complemento. Por isso, a importância do estímulo ao sentido de cidadania e responsabilidade como forma de combater desigualdades sociais, para avançarmos em um futuro de qualidade.

Uma dica que costumo dar como especialista em tendências é: nunca podemos perder de vista alguns questionamentos. Qual é o futuro que queremos? Quais são as nossas possibilidades? O futuro não é um anônimo que vem tirar nossos empregos e destruir tudo. O futuro está acontecendo. O futuro pode, sim, ser influenciado – e sim, nós podemos trabalhar por um amanhã melhor.

*Peter Kronstrom é diretor do Instituto Copenhagen de Estudos do Futuro e fundador do Future Lounge

Últimas notícias