metropoles.com

Powell diz que inflação está longe da meta: “Vamos agir com cuidado”

Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, alertou para a resiliência da inflação nos EUA e abriu caminho para novas altas de juros

atualizado

Compartilhar notícia

Chip Somodevilla/Getty Images
Imagem de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve. Ele veste um terno azul escuro, camisa branca, gravata roxa e tem cabelos grisalhos e óculos. Ao fundo, duas bandeiras dos Estados Unidos - Metrópoles
1 de 1 Imagem de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve. Ele veste um terno azul escuro, camisa branca, gravata roxa e tem cabelos grisalhos e óculos. Ao fundo, duas bandeiras dos Estados Unidos - Metrópoles - Foto: Chip Somodevilla/Getty Images

Em pronunciamento pouco depois do anúncio da manutenção da taxa básica de juros nos Estados Unidos no patamar de 5,25% a 5,5% ao ano, o presidente do Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano), Jerome Powell, voltou a afirmar que a inflação ainda não está controlada no país e que a autoridade monetária precisa agir “com cuidado”.

Apesar de não ter elevado os juros, o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) optou por manter a taxa no nível mais alto em 22 anos. Nas últimas 13 reuniões do Fomc, houve elevação dos juros em 11 e manutenção da taxa em duas.

A elevação da taxa de juros é o principal instrumento dos bancos centrais para conter a inflação.

Dados divulgados na semana passada pelo Departamento do Trabalho do governo americano mostram que a inflação no país foi de 3,7% em agosto, na comparação anual, ante 3,2% do mês anterior. O resultado veio acima das estimativas do mercado. A meta de inflação nos EUA é de 2% ao ano.

“Temos a capacidade de ser cuidadosos neste momento. Vamos agir com cuidado”, afirmou Powell.

O presidente do Fed disse ainda que o “objetivo principal é um pouso suave” na economia americana. Um “pouso suave” é uma desaceleração cíclica no crescimento capaz de evitar uma recessão. A expressão se tornou popular em Wall Street durante o mandato de Alan Greenspan à frente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), nos anos 1990.

“O fato de que mantivemos os juros no atual patamar não significa que alcançamos a estabilidade de política monetária que estamos buscando”, disse Powell, que chamou atenção para a resiliência da inflação nos EUA.

“Se os preços de energia subirem e se mantiverem em alta, isso vai afetar o consumo e, consequentemente, as expectativas de inflação”, afirmou.

“Patamar restritivo” será mantido

Ainda de acordo com o presidente do Fed, as decisões da autoridade monetária serão tomadas “reunião a reunião” e, se necessário, novas altas de juros vão ocorrer.

“Vamos manter um patamar restritivo até estarmos confiantes de que a inflação está caminhando em direção à meta de 2%”, concluiu.

As projeções do Fed que acompanham a decisão desta quarta mostram que os diretores do Fomc projetam a taxa de juros entre 5,5% e 5,75% até o final de 2023, o que indica um aumento de 0,25 ponto percentual na próxima reunião, em novembro.

Para 2024, a estimativa subiu de 4,6% para 5,1% e, para 2025, de 3,4% para 3,9%.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?

Notificações