metropoles.com

Como o “caso Americanas” contaminou empresas como Marisa, CVC e Light

Possível manipulação da Americanas para esconder dívidas de R$ 20 bi levou bancos a fechar as portas para a concessão de crédito no mercado

atualizado

Compartilhar notícia

Fábio Matos/Metrópoles
americanas-sp-editada-12
1 de 1 americanas-sp-editada-12 - Foto: Fábio Matos/Metrópoles

Uma crise do tamanho da Americanas não ficaria restrita ao próprio universo da empresa. Desde que a varejista comunicou ao mercado a identificação de “inconsistências contábeis” de R$ 20 bilhões, um mês atrás, os bancos fizeram uma mudança radical na sua política de concessão de crédito.

Especialistas do setor ouvidos pelo Metrópoles são unânimes: a torneira dos financiamentos secou. Até que os bancos consigam entender a engenharia do problema contábil da Americanas e até que consigam absorver o baque do não-pagamento da dívida de mais de R$ 25 bilhões da varejista, o mercado de crédito está fechado para negócios.

“Empresas que já tinham problemas pontuais, como um endividamento elevado ou dificuldade para gerar receita, não estão conseguindo rolar as dívidas. O mercado está bagunçado pelo evento da Americanas, então foi necessário contratar um assessor financeiro para renegociar o passivo, em alguns casos”, explica Mariana Fenelon, especialista em crédito privado na gestora de investimentos do banco Inter.

Só nas últimas duas semanas, três empresas recorreram a essa ajuda: a concessionária de energia Light, a empresa de viagens CVC e a varejista de moda Marisa.

Em nenhum dos casos, a reestruturação de dívida é uma evidência imediata de que tais empresas entrarão em recuperação judicial. De qualquer forma, em um momento de gestores e bancos desconfiados, qualquer notícia como essa serve para deixar o clima ainda pior.

“Inferno particular”

Cada uma das empresas que buscou ajuda para renegociar a dívida tem um “inferno particular”. No caso da Light, o vencimento do contrato de distribuição de energia no Rio de Janeiro já em 2026 é o começo do problema. A concessão carioca é a única administrada pela Light, o que significa que, caso o contrato não seja renovado, as receitas irão a praticamente zero. Por isso, os bancos não querem conceder empréstimos para além desse prazo.

“Os bancos têm uma capacidade de liquidez enorme para absorver até mesmo impactos relevantes, como o das Americanas. Não há um risco sistêmico, mas certamente há muita desconfiança e exigência de prêmios e juros maiores para renegociar, o que piora a situação das empresas que têm custos financeiros elevados”, diz Luis Gustavo Pereira, responsável pela área de Mercado de Capitais da Guide Investimentos.

A empresa de energia tenta negociar com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a antecipação da renovação da concessão. Para piorar, a Light tem um dos piores índices de perda energética, causado por problemas como o roubo de energia, o que afeta sua capacidade de gerar receitas.

O caso da CVC é diferente. A empresa tem conseguido melhorar os dados operacionais, em razão da retomada de viagens no pós-pandemia. Durante os meses de restrições sanitárias, a CVC buscou o mercado para conseguir recursos para sobreviver.

A dívida acumulada ficou elevada e o pagamento dos juros e rolagem está consumindo todo o lucro da empresa. Muitos desses créditos vencem já ao longo de 2023, o que torna a renegociação mais urgente.

“Quando os juros estavam baixos, a maior parte das empresas decidiu buscar o alongamento e renegociação de dívidas de forma proativa. Quem não fez isso antes e agora precisa tentar resolver o problema está encontrando dificuldades, porque a Selic está alta e as portas estão fechadas”, afirma David Camacho, sócio da gestora de crédito privado Devant.

Varejo

A Marisa tenta renegociar uma dívida de curto prazo de R$ 600 milhões com os bancos. Das três empresas que pediram para rediscutir as dívidas, ela é a que tem maior exposição ao “caso Americanas”, embora não esteja diretamente ligada ao problema financeiro que engoliu a varejista.

Ressabiados com a falta de pagamento da Americanas, fornecedores do varejo estão adotando regras mais restritivas em todas as negociações. O caixa de empresas do setor está sendo queimado mais rapidamente, por causa das mudanças.

A exigência de quitação à vista pelas mercadorias, por exemplo, ficou mais frequente, uma vez que os bancos deixaram de fazer a intermediação entre o varejista e os fornecedores, financiando os recebíveis. Tal operação é chamada de risco-sacado e foi justamente o calcanhar de aquiles da Americanas.

O que se sabe até agora é que a varejista não lançou o passivo de risco-sacado corretamente e por isso teve uma diferença contábil de R$ 20 bilhões em sua dívida oficial.

O pessimismo atinge o varejo como um todo, mas baqueou primeiro a Marisa, empresa que tenta há mais de cinco anos reestruturar operações e financiar suas dívidas para continuar de portas abertas. O cenário de inflação e juros elevados deprime o consumo e seca o faturamento das empresas.

“Quando se fala em Bolsa de Valores, o varejo é um dos mercados de pior crescimento, por causa de questões econômicas, como o baixo poder aquisitivo do consumidor”, observa Caio Camargo, especialista em varejo.

Ontem (9/2), após a notícia da reestruturação das dívidas, as ações da Marisa caíram 22% e entraram no grupo de “penny stocks” – ações que valem menos do que R$ 1.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNegócios

Você quer ficar por dentro das notícias de negócios e receber notificações em tempo real?