Vídeo: russos fazem filas antes de fechamento do McDonald’s no país

Operações da rede de fast food americana serão suspensas no país, como parte das sanções impostas devido à invasão da Ucrânia

atualizado 14/03/2022 13:00

Russos fazem fila em loja do McDonald's de Moscou na noite anterior ao fechamento temporário da cadeia de restaurantes no país, em decorrência da guerra na Ucrânia - MetrópolesReprodução/Twitter

Russos fazem longas filas no McDonald’s, nos últimos dias da rede de fast food no país. A empresa americana decidiu encerrar temporariamente as operações de 850 lanchonetes do país, como uma resposta aos ataques da Rússia à Ucrânia, na guerra que já dura 19 dias.

No domingo (13/3), as lanchonetes da rede em Moscou registraram filas – tanto de pessoas, dentro dos restaurantes, quanto de carros, nos drive-thrus. Nesta semana, os restaurantes devem parar de operar no país.

Veja registros compartilhados nas redes sociais:

Em carta aberta aos funcionários da empresa, o CEO do McDonald’s, Chris Kempckinski, afirmou que o fechamento das lojas neste momento “é a coisa certa a fazer”.

“Neste momento, é impossível prever quando poderemos reabrir nossos restaurantes na Rússia. Estamos passando por interrupções em nossa cadeia de suprimentos, juntamente com outros impactos operacionais. Também monitoraremos de perto a situação humanitária”, disse Kempckinski.

A empresa assegurou que continuará pagando os 62 mil funcionários no país.

Movimento conjunto

A pressão para que empresas do Ocidente interrompam as atividades na Rússia está aumentando devido ao agravamento da guerra na Ucrânia.

Outras marcas importantes anunciaram, na semana passada, que deixaram, por tempo indeterminado, o mercado russo. Veja abaixo:

Coca-Cola e Pepsi

A Coca-Cola Co. anunciou, na terça-feira passada (8/3), a suspensão das atividades na Rússia.

“Nossos corações estão com as pessoas que estão resistindo a efeitos inconcebíveis desses trágicos eventos na Ucrânia”, diz o comunicado da megaempresa mundial. A Coca-Cola informou que até 2% da receita veio da Rússia e da Ucrânia, em 2021.

A PepsiCo, fabricante de um dos únicos produtos do Ocidente permitidos na então União Soviética, também anunciou que suspenderá as vendas na Rússia.

Starbucks

A companhia de cafés Starbucks, além de fechar os estabelecimentos, afirmou que não enviará mais ao país produtos administrados por licenciados.

A empresa ainda anunciou que o Alshaya Group, operador de pelo menos 100 Starbucks no país, “fornecerá apoio aos quase 2 mil parceiros na Rússia que dependem da Starbucks para sua subsistência”.

L’Oreal

A gigante de cosméticos L’Oreal divulgou que fechará temporariamente todas as unidades na Rússia, incluindo pontos de venda dentro de lojas de departamento e sites de vendas. Todos os investimentos em propaganda no país também foram suspensos.

“Condenamos veementemente a invasão russa e a guerra na Ucrânia, que está causando tanto sofrimento ao povo ucraniano”, disse a empresa francesa.

Unilever

Outra grande peça no mercado global, a Unilever anunciou que, a partir desta terça-feira, vai suspender investimentos e propaganda na Rússia e na Ucrânia. Entre os produtos comercializados pela Unilever, estão marcas como o sabão Dove e a sopa Knorr.

A Unilever, entretanto, ressaltou que continuará a fornecer produtos alimentícios e de higiene essenciais fabricados na Rússia, mas não abrirá mão do lucro.

Apple

Mais lidas
Últimas notícias