Veja cinco pontos para entender o Sínodo da Amazônia

Evento que reúne 250 bispos de todo o mundo em Roma tem sido alvo de monitoramento e críticas do governo Bolsonaro desde fevereiro

PixabayPixabay

atualizado 02/09/2019 22:12

O Vaticano recebe entre 6 e 27 de outubro a 16ª assembleia geral ordinária do Sínodo dos Bispos, que reúne 250 lideranças católicas de todo o mundo para discutir por 23 dias o tema “Amazônia: Novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. Desta vez, o evento é alvo de suspeitas do governo de Jair Bolsonaro, que encara a reunião como uma forma de empurrar a “agenda da esquerda” e “ameaçar a soberania do Brasil sobre a Amazônia”.

Após críticas do ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, e o monitoramento pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), formada por membros do clero brasileiro, se pronunciou nesta sexta-feira, 30, em carta aberta: “Lamentamos imensamente que hoje, em vez de serem apoiadas e incentivadas, nossas lideranças são criminalizadas como inimigos da pátria”.

No sábado, Bolsonaro reafirmou que a Abin estava monitorando o grupo. No dia seguinte, a CNBB lançou uma contraofensiva nas redes sociais para rebater as críticas do governo e demonstrar apoio ao papa Francisco.

Abaixo, entenda em cinco pontos a importância do Sínodo da Amazônia, o que será realmente debatido no evento e por que o governo Bolsonaro está preocupado com essa articulação:

Como funciona um Sínodo?
Em artigo escrito para o jornal O Estado de S. Paulo, o bispo d. Odilo Pedro Scherer explicou que, durante os Sínodos, “o papa ouve mais do que fala”. O evento, na verdade, serve para que o Vaticano possa ouvir a opinião dos fiéis sobre assuntos específicos, através de questionários conduzidos pelos 250 bispos participantes, e tomar decisões a partir desses consensos.

Em 2014 e 2015, o Sínodo teve como tema “Os desafios Pastorais no contexto da Evangelização”, e abordou temas como divórcio, contracepção e a união entre casais homoafetivos na Igreja. No ano passado, os cardeais discutiram “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. O objetivo de um Sínodo é discutir como a Igreja Católica pode intervir em determinados conflitos, assim como adequar suas diretrizes em lugares onde haja dificuldade de converter novos fiéis e disseminar os ideais católicos.

Por que Sínodo da Amazônia?
O tema do Sínodo deste ano será “Amazônia: Novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. Na ocasião, bispos de todo o mundo terão acesso a um material produzido por 13 autores, três dos quais são brasileiros e membros da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam).

O texto que será analisado é dividido em três subtítulos e linhas de ação: “A voz da Amazônia” (Ver), “Ecologia Integral: o clamor da terra e dos pobres” (Discernir) e “Igreja Profética na Amazônia: desafios e esperanças” (Agir). Ele servirá de apoio para discutir temas como a riqueza cultural e ecológica da região, mudanças climáticas causadas por desmatamentos, os direitos de quilombolas e a crise migratória da Venezuela.

Outro ponto a ser abordado no encontro será a hipótese de a Igreja permitir a ordenação de homens casados na Amazônia, já que há escassez de padres na região e um dos objetivos do Vaticano é expandir a doutrinação católica pelo mundo, principalmente entre povos indígenas.

Por que o governo está preocupado com o Sínodo da Amazônia?
Em fevereiro, o jornal O Estado de S. Paulo revelou com exclusividade que a Abin e comandantes militares na região amazônica estavam usando seus recursos para monitorar partes do que consideram o “clero progressista” no país. Na avaliação do Planalto, a Igreja Católica sempre foi aliada ao PT e estaria se esforçando para avançar com a “agenda da esquerda” no interior do Brasil e nas periferias.

O objetivo da articulação, com o acompanhamento das reuniões preparatórias em paróquias e dioceses, é neutralizar o Sínodo e impedir que o clero divulgue a “ideologia de esquerda”, o que supostamente interferiria na soberania do Brasil sobre a Amazônia. “A questão vai ser objeto de estudo cuidadoso pelo GSI. Vamos entrar a fundo nisso”, afirmou Augusto Heleno.

Política x Religião
Durante almoço com jornalistas realizado no sábado (31/08/2019), o presidente Bolsonaro voltou a confirmar que a Abin acompanha o Sínodo da Amazônia: “Tem muita influência política lá sim”. Um dia antes, a Igreja Católica havia se pronunciado sobre o assunto, alegando que os bispos envolvidos no evento estavam sendo “criminalizados” e tratados como “inimigos da pátria”.

O histórico de desavenças entre a Igreja Católica e os militares brasileiros vem desde a ditadura militar (1964-1985), mantendo-se até a gestão de João Figueiredo, o último desse ciclo. A convivência entre a CNBB e os governos democráticos tem sido pacífica nos últimos anos, com desentendimentos pontuais nos mandatos de Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma.

No último ano, Bolsonaro e as medidas propostas por ele têm sido alvo da CNBB, que já criticava o presidente durante sua campanha eleitoral, quando o bispo André de Witte, da Bahia, o considerou um “perigo real”. À época, as redes sociais bolsonaristas contra-atacaram, divulgando que o papa Francisco era “comunista”.

O que o papa Francisco disse sobre o Sínodo da Amazônia?
O cardeal dom Claudio Hummes, relator do Sínodo da Amazônia e principal nome do Brasil no evento, afirmou que o papa Francisco pretende pressionar o governo brasileiro a tomar medidas para cuidar da floresta amazônica. De acordo com ele, o líder católico também defende a ideia de que o país aceite ajuda internacional para cuidar do problema.

“Ouvimos vozes contrárias, vozes que resistem, vozes que têm medo e vozes que têm interesses muito fortes que se sentem um tanto ameaçados”, afirmou o cardeal, durante evento preparatório para o Sínodo da Amazônia, no último dia 30, em Belém. Ainda em agosto, o Vaticano declarou que estava “preocupado com os incêndios” que ocorrem na Amazônia e que “esse pulmão florestal é vital para o nosso planeta”.

Últimas notícias