Tiroteio deixa mortos e feridos em Liège, na Bélgica

O atirador foi identificado como o ex-presidiário Benjamin Herman, que foi morto pela polícia enquanto mantinha uma mulher refém

atualizado 29/05/2018 10:56

ANSA / EPA / STEPHANIE LECOCQ

A cidade de Liège, na Bélgica, foi palco de um tiroteio na manhã desta terça-feira (29/5). A tragédia deixou, ao todo, quatro mortos e dois feridos. As autoridades investigam se o ataque foi um ato de terrorismo, pois o autor dos disparos teria gritado: “Alá é grande”.

Os disparos ocorreram no centro da cidade, próximo a uma cafeteria. Um pedestre morreu na ação, assim como dois agentes de polícia. O assassino, identificado como Benjamin Herman, foi morto pelas autoridades.

Há a possibilidade de o homem ter começado a disparar quando foi parado por agentes para verificação de documentos. Ele teria executado os dois e seguido para uma escola na região, o colégio Waha. Lá, ele usou uma mulher, funcionária do serviço de limpeza da instituição, refém na entrada do prédio. Dois outros policiais ficaram feridos no ataque, mas conseguiram atingir o bandido.

“Ainda não sabemos se o ocorrido em Liège é um atentado terrorista ou não. De qualquer forma, estamos ao lado da Bélgica e das famílias das vítimas”, lamentou o presidente do Parlamento Europeu, o italiano Antonio Tajani, em Estrasburgo. “Mais uma vez, na Bélgica e na Europa, mortes são causadas por uma violência incompreensível”, disse.

De acordo com os jornais Libre Belgique e La Dernière Heure, Benjamin Herman teria gritado “Allah Akbar” (Deus é grande), frase usada por terroristas extremistas islâmicos. Já a RTBF, por sua vez, disse que Benjamin Herman é um ex-presidiário, solto há pouco tempo.

Ele teria cumprido pena por crimes comuns e era conhecido entre os colegas de cadeia por adotar comportamento marginal. No entanto, as autoridades devem investigar se ele se radicalizou nos centros de detenção.

 

Últimas notícias