Suécia rejeita pedido de prisão para Assange por alegação de estupro

Atualmente, o fundador do WikiLeaks cumpre uma pena de 50 semanas preso no Reino Unido por violar a condicional

David G Silvers/Cancillería del EcuadorDavid G Silvers/Cancillería del Ecuador

atualizado 03/06/2019 18:38

Um tribunal da Suécia rejeitou nesta segunda-feira (03/05/2019) um pedido de procuradores para que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, seja detido mesmo ausente devido a uma alegação de estupro de 2010. São informações do Estadão.

Assange, que é cidadão australiano, está cumprindo uma pena de 50 semanas de prisão no Reino Unido por violar a condicional depois de passar sete anos abrigado na embaixada equatoriana em Londres para evitar uma extradição para a Suécia. Ele nega a acusação de estupro.

O veredicto desta segunda-feira significa que o procurador sueco não pode, a essa altura, pedir sua extradição do Reino Unido. Os Estados Unidos já solicitaram a extradição de Assange devido a acusações de conspiração. Se o Reino Unido aceitar o pedido antes de a Suécia fazer sua própria reivindicação, Assange será enviado aos EUA.

Outro fator incitando o procurador sueco a agir rapidamente é que a acusação do suposto estupro prescreve em agosto de 2020.

Mas o advogado de defesa Per Samuelson argumentou que o encarceramento de Assange no Reino Unido significa que não existe risco de fuga.

A pedido dos EUA
“Ele ficará na prisão por ao menos meio ano e está detido a pedido dos Estados Unidos. Então não faz sentido detê-lo na Suécia também”, disse Samuelson.

Procuradores suecos descartaram a investigação de estupro em 2017, mas a reabriram depois que o Equador rescindiu sua concessão de asilo a Assange em abril, permitindo que a polícia britânica o prendesse.

“A investigação (de estupro) continua com entrevistas na Suécia. Também emitirei uma Ordem de Investigação Europeia para entrevistar Julian Assange”, disse a procuradora Eva-Marie Persson em um comunicado após o veredicto desta segunda.

Últimas notícias