Sem provas, Trump volta a levantar suspeitas de fraude nas eleições dos EUA

Na madrugada desta quarta-feira (4/11), Trump dirigiu-se ao eleitores e anunciou vitória mesmo com oito estados ainda em contagem de votos

atualizado 04/11/2020 13:21

Trump ao lado de Melania, na madrugada de quarta-feira, 4 de novembro, ao declarar vitória na eleiçãoChip Somodevilla/Getty Images

Sem provas, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a levantar suspeitas sobre possíveis fraudes nas eleições do país. Nas redes sociais, o republicano deu a entender que a contagem de votos feita pelo correio está “muito estranha”.

“Ontem [terça-feira] à noite eu estava liderando, com solidez, em estados-chave governados e controlados pelos democratas. Então, um por um, eles começaram a desaparecer magicamente enquanto urnas surpresas eram contadas. Muito estranho. E os condutores das pesquisas entenderam completamente e historicamente errado”, declarou Trump.

Mais uma vez, o Twitter marcou a postagem do candidato à reeleição como contestável e alertou sobre possíveis informações falsas.

Em outra publicação, o atual presidente questionou: “Como é que toda vez que eles contam as cédulas eleitorais elas são tão devastadoras em sua porcentagem e poder de destruição?”

Vitória

Na madrugada desta quarta-feira (4/11), direto da Casa Branca, Trump dirigiu-se ao eleitores e anunciou vitória, embora oito estados ainda não tenham finalizado a contagem de votos.

Trump listou os estados que venceu, como a Flórida, colocou-se como vencedor em outros ainda indefinidos e anunciou que irá à Suprema Corte para interromper a contagem dos votos. “Isso é uma vergonha para nossa nação. Nós vencemos as eleições. Não queremos que contem votos às 4 da manhã”, disse.

Favoritismo

Apesar de Trump estar ganhando em alguns estados considerados decisivos, os democratas acreditam em uma virada de Joe Biden, uma vez que cerca de 1 milhão de votos a serem contabilizados foram enviados pelo correio.

A modalidade de voto pelos correios em decorrência da pandemia do coronavírus é considerada opção preferencial entre os democratas, e mais demorada para ser apurada. O presencial é mais utilizado pelos republicanos. Já era esperado que os primeiros resultados fossem favoráveis ao atual presidente.

Últimas notícias