Governo venezuelano sinaliza diálogo, mas impõe condições a Guaidó

Entre as cinco exigências de Nicolás Maduro estão o respeito à soberania do país e a retirada de sanções internacionais

atualizado 03/03/2019 12:20

ELZA FIÚZA/ABR

O governo venezuelano sinalizou que está aberto a negociar com a oposição, comandada por Juan Guaidó, mas impôs cinco condições. Entre elas, estão a não interferência de outros países nos assuntos internos do país e o respeito à soberania da Venezuela.

O governo de Nicolás Maduro também exigiu respeito ao direito a paz do país; retirada de sanções internacionais e o estabelecimento de um mecanismo para dirimir, por meios pacíficos, as diferenças entre governo e oposição.

A proposta foi anunciada pelo vice-presidente para Comunicação, Cultura e Turismo da Venezuela, Jorge Rodríguez. Ele concedeu uma entrevista à agência russa Sputnik Nóvosti, que foi publicada em sua página na internet e reproduzida pela Agência Venezuelana de Notícias.

Autoproclamado presidente interino da Venezuela, Guaidó já anunciou que retorna para casa após concluir a visita ao Equador, elevando a perspectiva de um confronto com o governo que tenta derrubar. “Estou anunciando meu retorno para casa”, disse após encontro com o presidente equatoriano, Lenín Moreno. Guaidó também convocou protestos na Venezuela para segunda (4/3) e terça-feira (5), dias que coincidem com a temporada de Carnaval no país.

Guaidó, que desde que se autoproclamou presidente interino da Venezuela já teve sua autoridade reconhecida pelos EUA e outros 50 países, não comentou o exato horário de seu retorno. Seu porta-voz, Edward Rodriguez, disse que “é possível” que seja na segunda-feira.

“Temos pouco a celebrar e muito a fazer”, disse Guaidó, que recentemente visitou os presidentes do Brasil, Paraguai e Argentina em uma campanha que elevou a pressão pela renúncia de Nicolás Maduro. Agora, com seu retorno existe a possibilidade de que as autoridades venezuelanas tentem prendê-lo.

O líder da oposição diz que busca uma “transição pacífica” que irá permitir ao país superar a crise política e humanitária. No final de semana passado, Guaidó coordenou esforços para o envio ao país de ajuda humanitária vinda da Colômbia e do Brasil, mas forças de segurança leais a Maduro bloquearam a entrada dos suprimentos.

Maduro tem acusado o movimento de Guaidó como parte de uma trama arquitetada pelos EUA para derrubá-lo. Moreno, que se reuniu com Guaidó na cidade costeira de Salinas (no Equador), disse que apoia a tentativa do líder de oposição de trazer uma “mudança democrática” para a Venezuela.

Últimas notícias