*

Onda de frio na Europa mata mais de 40 pessoas

Temperaturas atingem mínimas históricas para final de fevereiro. Condições climáticas causam fechamento de escolas e aeroportos

getty images
Deutsche Welle
 

As temperaturas quebraram recordes negativos para esta estação nos últimos dias na Europa. Entre a última sexta-feira (23/2) e esta quinta (1º/3), a onda de frio siberiano matou pelo menos 41 pessoas no continente, principalmente pessoas sem-teto. Escolas e aeroportos chegaram a ser fechados devido às condições climáticas.

A madrugada de terça-feira (27) foi a mais fria do inverno na Alemanha. No sul da Baviera e no norte de Hessen, foram medidas temperaturas mínimas de até -17°C.

O frio rigoroso registrado nos últimos dias é incomum para o final de fevereiro, segundo o Serviço Meteorológico da Alemanha (DWD). No alto da montanha Zugspitze, no sul do país, os termômetros marcaram -30,5°C, a menor temperatura já registrada neste período do ano.

Até o início meteorológico da primavera, o frio deve permanecer castigando a Alemanha. Em dezembro, janeiro e fevereiro, o DWD registrou um “inverno suave, chuvoso e ensolarado”, com temperaturas médias de 1,6ºC – 1,4 grau acima do valor de referência internacionalmente válido no período de 1961 a 1990.

O frio intenso aumentou o perigo para pessoas sem-teto. Várias cidades, incluindo Berlim e Roma, forneceram camas adicionais em abrigos de emergência e ampliaram o período de funcionamento desses lugares, que, normalmente, só abrem no período noturno, também para o dia. A Cruz Vermelha enviou ajudantes e instou as pessoas a cuidarem de vizinhos e parentes idosos. Algumas cidades belgas pediram à polícia para deter os sem-teto que se recusem a aceitar refúgio.

Escolas foram fechadas no Kosovo, no oeste da Bósnia, na Albânia, assim como em regiões do Reino Unido, da Itália e de Portugal.

Desde sexta (23), 18 pessoas morreram na Polônia, cinco só na madrugada de terça (27), quando, em Varsóvia, a temperatura caiu para -16°C. Quatro pessoas congelaram até a morte na França, quatro na Eslováquia, seis na República Tcheca, cinco na Lituânia, duas na Romênia e uma na Itália.

Também o Mediterrâneo permaneceu inusitadamente invernal. Nevou na Baía de Ajaccio, na Córsega, e também na ilha italiana de Capri.

Neve e gelo também causaram obstruções no tráfego aéreo. Devido a uma nevasca na Inglaterra, a empresa aérea British Airways cancelou 60 voos no aeroporto londrino de Heathrow. Na Croácia, o serviço de trens entre Zagreb e Split foi interrompido. Na Romênia, três portos foram fechados no Mar Negro. O frio também causou o fechamento do aeroporto de Varna, na Bulgária.

Enquanto os europeus aumentam a utilização de seus aparelhos de aquecimento, a empresa russa de energia Gazprom registra consumo recorde de gás. Durante seis dias consecutivos, as exportações do grupo quebraram recordes, segundo a empresa.