Lei de Belarus pode punir opositores da ditadura com pena de morte

Atos classificados como “terrorismo”, como protestos contra o ditador Alexander Lukashenko, podem ser punidos com pena de morte

atualizado 18/05/2022 16:01

Reprodução

Decreto publicado nesta quarta-feira (18/5) em Belarus determina pena de morte para casos de planejamento de ataques ou tentativa de “terrorismo”. E cita como exemplo manifestações contra o ditador Alexander Lukashenko, que preside o país desde 1994.

“O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, sancionou a lei que prevê a possibilidade de aplicar a pena de morte por uma tentativa de ato de terrorismo”, noticiou a agência russa Ria Novosti.

Durante protestos contra a reeleição de Lukachenko, em 2020, manifestantes foram presos e acusados de preparar ou tentar cometer atos terroristas no país. Em 2021, a Promotoria de Belarus acusou a líder da oposição, Svetlana Tikhanovskaia, exilada desde 2020, por “preparar um ato de terrorismo em um grupo organizado”, de acordo com agência estatal Belta.

O decreto afirma que “a preparação ou tentativa” de cometer crime não é condenado com pena de morte, com a exceção daqueles classificados como “terroristas”.

Belarus, ex-república soviética e aliada à Rússia, é o único país europeu onde a pena capital ainda é aplicada, os condenados são mortos com um tiro na cabeça.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias