Homem mata policial francesa a facadas; governo investiga terrorismo

A agente de 49 anos levou dois golpes no pescoço; o motivo do crime teria sido a nacionalidade tunisiana da vítima

atualizado 23/04/2021 18:59

Autoridades francesas investigam um possível ataque terrorista ocorrido nesta sexta-feira (23/4) contra uma oficial administrativa de uma delegacia em Rambouillet, a cerca de 60 km de Paris. A agente de 49 anos levou duas facadas e chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos.

Informações preliminares apontam que a vítima voltava do trabalho após o almoço quando foi esfaqueada duas vezes na garganta por um homem de 36 anos. O motivo teria sido sua nacionalidade tunisiana.

O suspeito foi morto a tiros por policiais. À Reuters autoridades afirmaram que o homem chegou ilegalmente à França em 2009, mas obteve uma autorização para continuar no país. Ele não tinha antecedentes criminais, e a motivação do ataque ainda é desconhecida.

Já segundo a AFP, três homens também foram detidos, por terem atuado em conjunto com o suspeito. A Procuradoria Nacional Antiterrorismo assumiu o comando das investigações.

No Twitter, o presidente Emmanuel Macron chamou a vítima de Stéphanie, e disse que a França “está ao lado de sua família, de seus colegas e da polícia”. “Na luta contra o terrorismo islâmico, não vamos desistir”, afirmou o líder francês, embora a polícia não tenha confirmado oficialmente indícios de motivação religiosa.

O ataque

De acordo com o jornal Le Monde, testemunhas do ataque disseram que o criminoso foi visto passando várias vezes em frente à delegacia com um telefone na mão. Em um determinado momento, ele aproveitou a entrada da vítima por uma porta protegida e conseguiu travar o mecanismo de controle eletrônico.

Ainda segundo os relatos, o homem teria mostrado uma faca aos funcionários do posto de atendimento, que estavam do outro lado do vidro protegido, antes de esfaquear a agente administrativa. Após desbloquear a porta, um dos policiais atirou no homem, que morreu em decorrência dos ferimentos.

Outras testemunhas disseram ter ouvido o homem gritar “Allahu Akbar” (Alá é grande, em tradução livre). Apesar de não confirmada oficialmente, a informação foi considerada no processo de tomada de decisão para que o crime seja investigado como um ataque terrorista.

Últimas notícias