metropoles.com

Guerra na Ucrânia contabiliza 315 civis mortos e 707 feridos, diz ONU

Números foram divulgados no 10º dia da invasão do país. Previsão é que quantidade de refugiados chegue a 1,5 milhão neste fim de semana

atualizado

Compartilhar notícia

Anastasia Vlasova/Getty Images
Vista para as casas residenciais que foram destruídas por bombardeios em 5 de março de 2022 em Markhalivka, Ucrânia. A polícia regional disse que seis pessoas morreram, incluindo uma criança, e quatro ficaram feridas em um ataque aéreo russo nesta vila a sudoeste de Kiev
1 de 1 Vista para as casas residenciais que foram destruídas por bombardeios em 5 de março de 2022 em Markhalivka, Ucrânia. A polícia regional disse que seis pessoas morreram, incluindo uma criança, e quatro ficaram feridas em um ataque aéreo russo nesta vila a sudoeste de Kiev - Foto: Anastasia Vlasova/Getty Images

A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou neste sábado (5/3) que 315 civis já morreram desde a invasão da Ucrânia pela Rússia. A investida completa 10 dias hoje.

Segundo a entidade, o número de feridos é de 707. A estimativa é de que a quantidade de refugiados seja de 1,2 milhão de pessoas, mas chegará a 1,5 milhão ainda neste fim de semana.

Imagens mostram destruição no 10º dia de guerra:

17 imagens
Vista para as casas residenciais que foram destruídas por bombardeios em 5 de março de 2022 em Markhalivka, Ucrânia. A polícia regional disse que seis pessoas morreram, incluindo uma criança, e quatro ficaram feridas em um ataque aéreo russo nesta vila a sudoeste de Kiev
 A Rússia continua o ataque às principais cidades da Ucrânia, incluindo a capital Kiev, mais de uma semana depois de lançar uma invasão em larga escala do país
Pessoas evacuam a cidade de Irpin, a noroeste de Kiev
Forças ucranianas derrubam um ataque russo helicóptero enquanto os ataques russos continuam na Ucrânia em 05 de março de 2022
Noroeste de Kiev
1 de 17

Soldados ucranianos detêm um homem que pensam ser um espião russo na cidade de Irpin, a noroeste de Kiev, no dia 10 da guerra Rússia-Ucrânia em 5 de março de 2022

Wolfgang Schwan/Anadolu (Agência via Getty Images
2 de 17

Vista para as casas residenciais que foram destruídas por bombardeios em 5 de março de 2022 em Markhalivka, Ucrânia. A polícia regional disse que seis pessoas morreram, incluindo uma criança, e quatro ficaram feridas em um ataque aéreo russo nesta vila a sudoeste de Kiev

Anastasia Vlasova/Getty Images
3 de 17

A Rússia continua o ataque às principais cidades da Ucrânia, incluindo a capital Kiev, mais de uma semana depois de lançar uma invasão em larga escala do país

Anastasia Vlasova/Getty Images)
4 de 17

Pessoas evacuam a cidade de Irpin, a noroeste de Kiev

Wolfgang Schwan/Agência Anadolu via Getty Images
5 de 17

Forças ucranianas derrubam um ataque russo helicóptero enquanto os ataques russos continuam na Ucrânia em 05 de março de 2022

DEFENSE MINISTRY OF UKRAINE/Anadolu Agency via Getty Images
6 de 17

Noroeste de Kiev

Wolfgang Schwan/Agência Anadolu via Getty Images
7 de 17

Irpin, a noroeste de Kiev

Wolfgang Schwan/Agência Anadolu via Getty Images
8 de 17

Pessoas evacuam a cidade de Irpin, a noroeste de Kiev

Wolfgang Schwan/Agência Anadolu via Getty Images
9 de 17

Pessoas evacuam a cidade de Irpin, a noroeste de Kiev, no dia 10 da guerra Rússia-Ucrânia em 5 de março de 2022

Wolfgang Schwan/Agência Anadolu via Getty Images
10 de 17

Residente local fica em frente aos escombros como resultado do bombardeio em 5 de março de 2022 em Markhalivka, Ucrânia

Anastasia Vlasova/Getty Images
11 de 17

Uma visão das casas residenciais que foram destruídas por bombardeios em 5 de março de 2022 em Markhalivka, Ucrânia

Anastasia Vlasova/Getty Images)
12 de 17

Militares ucranianos

Anastasia Vlasova/Getty Images
13 de 17

Militares ucranianos fazem uma parada na estrada em 5 de março de 2022 em Sytniaky, Ucrânia

Anastasia Vlasova/Getty Images)
14 de 17

As pessoas se alinham para serem convocadas para o exército em 5 de março de 2022 em Lviv, Ucrânia. De acordo com as últimas informações, a Ucrânia suspende a evacuação de civis de Mariupol em vista do rompimento do cessar-fogo pela Rússia para abrir corredores humanitários. O saldo da guerra, de acordo com o Serviço de Emergência do Estado da Ucrânia, é de mais de 2.000 civis mortos e mais de um milhão de refugiados fugiram do país

Europa Press via Getty Images
15 de 17

Voluntários e membros da equipe carregam pacotes de ajuda humanitária chegados de Lviv, em Zaporizhzhia, Ucrânia, em meio a ataques russos em 5 de março de 2022. Um trem transportando suprimentos de socorro da cidade de Lviv chegou a Zaporizhzhia. Os pacotes no trem, que consiste em 4 vagões de 15 toneladas cada, serão transportados para os armazéns da região e enviados para as cidades ucranianas necessitadas

Stringer/Anadolu Agency via Getty Images
16 de 17

Uma família atravessa a linha férrea enquanto continua sua jornada no principal terminal de ônibus e trem em 05 de março de 2022 em Lviv, Ucrânia. Mais de um milhão de pessoas fugiram da Ucrânia após o ataque em larga escala da Rússia ao país, com centenas de milhares de ucranianos passando por Lviv a caminho da Polônia

Dan Kitwood/Getty Images
17 de 17

Abrigo temporário para pessoas que fogem da Ucrânia organizado no antigo supermercado em Przemysl, Polônia, em 5 de março de 2022. Milhares de refugiados cruzam a fronteira ucraniana-polonesa após a invasão russa

Jakub Porzycki/NurPhoto via Getty Images

A população ucraniana está deixando o país desde o início da invasão russa, na semana passada. A maior parte dos refugiados está na fronteira com a Polônia.

A retirada de civis de duas cidades ucranianas, em que o conflito está mais intenso, chegou a ser planejada pela Cruz Vermelha. No entanto, a medida foi adiada, pois não houve cessar-fogo por parte da Rússia.

Cessar-fogo

A Rússia chegou a declarar um cessar-fogo parcial por um período de cinco horas, na região, para criar os chamados corredores humanitários e, assim, permitir a retirada de civis. Com isso, o exército pararia os ataques localizados.

O governo ucraniano e a administração local de Mariupol, no entanto, alegaram que os militares russos violaram diversas regras do acordo de cessar-fogo e, por essa razão, a transferência dos civis deverá ser adiada.

O comitê da Cruz Vermelha informou que continua em diálogo com as partes envolvidas, para promover a retirada das pessoas da região.

“As cenas em Mariupol e em outras cidades hoje são de partir o coração. Qualquer iniciativa das partes que dê aos civis uma trégua da violência e permita que eles partam voluntariamente para áreas mais seguras é bem-vinda”, diz o comitê da Cruz Vermelha.

Cercada por forças russas, Mariupol é uma importante zona portuária da Ucrânia e fica em localização estratégica. O prefeito disse que a cidade está submetida a um bloqueio, sem energia elétrica, água, alimentos, gás e transporte.

Arte mostra como tropas russas avançaram após a invasão na Ucrânia - Metrópoles
Arte mostra como tropas avançaram após a invasão

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?