“Estamos sendo destruídos”, diz prefeito de Mariupol, cidade ucraniana

A cidade portuária de 430 mil habitantes sofre sucessivos ataques a construções civis. Militares também bloqueiam a saída de civis

atualizado 03/03/2022 14:13

Equipes realizam trabalhos de remoção de detritos em assentamentos civis danificados após um recente bombardeio russos na Ucrania - Metrópoles Stringer/Anadolu Agency via Getty Images

O prefeito de Mariupol, Vadym Boichenko, disse em uma publicação no Telegram que a cidade ucraniana está sendo destruída com sucessivos ataques russos a estruturas civis. Boichenko comparou a estratégia de ataque da Rússia ao cerco feito pelos nazistas a São Petersburgo. A Ucrânia vive o oitavo dia de guerra.

“Eles destruíram todas as pontes, destruíram os trens para impedir que nossas mulheres, crianças, idosos saíssem. Eles nos impedem de nos abastecermos. Eles procuram impor um bloqueio, como em Leningrado [São Petersburgo]”, denunciou Boichenko.

Segundo o gestor ucraniano, os russos estão destruindo a infraestrutura crítica de suporte à vida, deliberadamente, nos últimos sete dias. “Não temos luz, água ou aquecimento”, completou. De acordo com os comunicados divulgados pelas lideranças da cidade portuária, os militares russos também impedem a saída de civis que tentam fugir do cenário de guerra.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
Publicidade do parceiro Metrópoles 7
Publicidade do parceiro Metrópoles 8
Publicidade do parceiro Metrópoles 9
Publicidade do parceiro Metrópoles 10
Publicidade do parceiro Metrópoles 11
Publicidade do parceiro Metrópoles 12
0

Ataques e negociação

Os novos ataques do Exército ocorrem a poucas horas de nova rodada de negociações entre Ucrânia e Rússia para eventual cessar-fogo e retirada das tropas russas. A conversa ocorrerá em Brest, em Belarus.

Na noite de quarta-feira, o Ministério da Defesa ucraniano informou a morte de seis pessoas, entre elas duas crianças. O ataque a Izium, na região de Kharkiv, teria começado às 23h59 (horário da Ucrânia).

Além de Kiev, capital ucraniana e coração do governo, Chemihiv, Ivankiv, Zhytomyr, Lviv, Chemowitz, Kherson, Odessa, Mykolaiv, Kamianske, Dnipro, Kharkiv, Mariupol, Belgorod, Boryspil e Chernobyl estão sob a mira dos russos.

Segundo os serviços de saúde ucraniano, só em Kharkiv pelo menos 34 civis morreram nas últimas 24 horas.

Os russos sitiaram Kiev, capital ucraniana e centro do governo nacional. O Exército diz ter dominado Kherson durante a madrugada de quarta-feira (2/3). Um único ataque matou 21 pessoas em Kharkiv.

Mais lidas
Últimas notícias