Após 36 anos presos por engano, três homens esperam libertação

Alfred Chestnut, Ransom Watkins e Andrew Stewart foram condenados, quando adolescentes, pela morte de DeWitt Duck, em Baltimore, nos EUA

Ichigo121212/PixabayIchigo121212/Pixabay

atualizado 25/11/2019 16:28

Três homens podem ser absolvidos nos Estados Unidos 36 anos depois de serem condenados por homicídio culposo. As informações são do jornal The Washington Post.

Se aprovada por um juiz, a libertação de Alfred Chestnut, Ransom Watkins e Andrew Stewart será a sétima, oitava e nona absolvições permitidas pela Unidade de Integridade da Condenação sob o comando da procuradora Marilyn Mosby, que assumiu o posto em 2015.

O trio foi acusado pela morte do menino DeWitt Duck, de 14 anos. O garoto foi assassinado em 1983 no corredor de uma escola de Baltimore, no estado de Maryland.

Na época, a pressão para resolver o caso foi intensa. A polícia prendeu os três adolescentes no Dia de Ação de Graças. Eles foram acusados, como adultos, pelo assassinato.

Meses depois do crime, os três foram condenados e sentenciados à prisão perpétua. Todos eles insistiram na tese de que eram inocentes.

Os relatórios da polícia, contudo, revelaram que inúmeras testemunhas disseram aos investigadores de Baltimore que Michael Willis, então com 18 anos, era o atirador, dizem os promotores.

Na época, um aluno identificou o suspeito imediatamente, e disse ter o visto correr e descartar uma arma quando a polícia chegou à escola.

Últimas notícias