metropoles.com

Começa neste domingo a COP27, da ONU; Lula é esperado no Egito

Durante o evento que ocorre no Egito, acordos para a área ambiental serão firmados e devem ser fiscalizados, dizem especialistas

atualizado

Compartilhar notícia

Ernesto Carriço/NurPhoto via Getty Images
Fotografia colorida de Floresta amazonica incendio desmatamento crime
1 de 1 Fotografia colorida de Floresta amazonica incendio desmatamento crime - Foto: Ernesto Carriço/NurPhoto via Getty Images

A 27ª conferência do clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP 27, começa neste domingo (6/11) em Sharm el Sheikh, no Egito, com a participação de representantes de mais de 150 países. Entre eles, o Brasil.

Além dos enviados pelo governo federal, a presença do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de aliados é esperada no encontro. De acordo com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, Lula deve viajar ao Egito.

Parlamentares estarão entre a comitiva. De acordo com o colunista Igor Gadelha, do Metrópoles, até o momento, o presidente da Câmara dos Deputados,  Arthur Lira (PP-AL), autorizou que 15 deputados integrem o grupo. A maior parte deles é filiada a partidos aliados a Lula.

Durante a COP26, em Glasgow, no Reino Unido, o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), que se encerra no dia 31 de dezembro de 2022, fechou acordos importantes para proteção do meio ambiente, como a neutralização de dióxido de carbono até 2028, redução das emissões de metano em até 30% e o compromisso para reverter a perda florestal e a degradação do solo até 2030.

Entretanto, a gestão atual não executou ações concretas para cumprir os acordos e chega ao Egito sem apresentar bons resultados sobre a preservação do meio ambiente e a redução de gases de efeito estufa.

Entre os dados da gestão Bolsonaro, estão o aumento de 12,2%, em 2021, de emissões de gases de efeito estufa segundo a 10ª edição do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima (Seeg).

Relatório do Seeg aponta também que 81% das emissões de metano são oriundas dos incêndios florestais que acontecem nas áreas desmatadas, em 2020.

Em nota encaminhada ao Metrópoles, o Ministério do Meio Ambiente informou que o Brasil chegará à COP27 com o intuito de demonstrar o potencial brasileiro na geração de excedente de energias verdes. Além disso, o governo federal participará de encontros com lideranças mundiais sobre o mercado de carbono; financiamento climático para mitigação e adaptação.

 

14 imagens
De acordo com a pesquisa do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), mais da metade (51%) do desmatamento do último triênio ocorreu em terras públicas, principalmente (83%) em locais de domínio federal
Dois anos após o Dia do Fogo, as queimadas na região voltaram a quebrar recordes anuais. Em 2020, a Amazônia Legal registrou o maior índice dos últimos nove anos (150.783 focos de fogo), um valor 20% maior que no ano anterior e 18% maior que nos últimos cinco anos
Em 2019, Bolsonaro se envolveu em algumas polêmicas ao ser pressionado sobre as medidas para controlar a situação das queimadas na Amazônia. Na época, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou que o mês de julho havia registrado aumento de 88% nos incêndios, em comparação com o mesmo período do ano anterior
O presidente da República questionou a veracidade das informações e chegou a afirmar que se o relatório fosse verdadeiro a floresta já estaria extinta. O diretor do instituto, Ricardo Galvão, acabou exonerado por causa da qualidade das informações divulgadas pelo órgão
Bolsonaro chegou a culpar as organizações não governamentais (ONGs) pela situação na floresta. Segundo o presidente, o objetivo era enviar as imagens para o exterior e prejudicar o governo
1 de 14

A destruição de florestas na Amazônia alcançou um novo e alarmante patamar durante o governo Bolsonaro. O desmatamento no bioma aumentou 56,6% entre agosto de 2018 e julho de 2021, em comparação ao mesmo período de 2016 a 2018

Igo Estrela/Metrópoles
2 de 14

De acordo com a pesquisa do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), mais da metade (51%) do desmatamento do último triênio ocorreu em terras públicas, principalmente (83%) em locais de domínio federal

Igo Estrela/Metrópoles
3 de 14

Dois anos após o Dia do Fogo, as queimadas na região voltaram a quebrar recordes anuais. Em 2020, a Amazônia Legal registrou o maior índice dos últimos nove anos (150.783 focos de fogo), um valor 20% maior que no ano anterior e 18% maior que nos últimos cinco anos

Igo Estrela/Metrópoles
4 de 14

Em 2019, Bolsonaro se envolveu em algumas polêmicas ao ser pressionado sobre as medidas para controlar a situação das queimadas na Amazônia. Na época, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou que o mês de julho havia registrado aumento de 88% nos incêndios, em comparação com o mesmo período do ano anterior

Fábio Vieira/Metrópoles
5 de 14

O presidente da República questionou a veracidade das informações e chegou a afirmar que se o relatório fosse verdadeiro a floresta já estaria extinta. O diretor do instituto, Ricardo Galvão, acabou exonerado por causa da qualidade das informações divulgadas pelo órgão

Ricardo Fonseca/ASCOM-MCTIC
6 de 14

Bolsonaro chegou a culpar as organizações não governamentais (ONGs) pela situação na floresta. Segundo o presidente, o objetivo era enviar as imagens para o exterior e prejudicar o governo

Fábio Vieira/Metrópoles
7 de 14

Diante da polêmica, o governo lançou edital com o intuito de contratar uma equipe privada para monitorar o desmatamento na Amazônia. O presidente também convocou um gabinete de crise para tratar das queimadas e prometeu tolerância zero com os incêndios florestais

Fotos Igo Estrela/Metrópoles
8 de 14

Porém, durante os três anos de governo de Jair Bolsonaro, as políticas ambientais foram alvo de críticas devido aos cortes orçamentários, desmonte de políticas de proteção ambiental e enfraquecimento de órgãos ambientais

Reprodução
9 de 14

Em 2020, na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o chefe do Executivo voltou a criar polêmicas ao declarar que os incêndios florestais eram atribuídos a "índios e caboclos" e disse que eles aconteceram em áreas já desmatadas. Além disso, Bolsonaro alegou que o Brasil é vítima de desinformação sobre o meio ambiente

Agência Brasil
10 de 14

No ano seguinte, Bolsonaro elogiou a legislação ambiental brasileira e o Código Florestal e enalteceu a Amazônia durante a assembleia. Além disso, disse que o futuro do emprego verde estava no Brasil

Agência Brasil
11 de 14

Em novembro de 2021, o presidente classificou as notícias negativas sobre a Amazônia como “xaropada”. Contudo, de acordo com o Inpe, a área sob risco tem 877 km², um recorde em relação à série histórica

Lourival Sant’Anna/Agência Estado
12 de 14

Durante um evento de investidores em Dubai, Jair disse que a Amazônia não pega fogo por ser uma floresta úmida e que estava exatamente igual quando foi descoberta, em 1500

Agência Brasil
13 de 14

Bolsonaro costuma falar com apoiadores no Palácio da Alvorada todos os dias

14 de 14

Amazônia

Ernesto Carriço/NurPhoto via Getty Images

Expectativas para a COP27

De acordo com ambientalistas, a COP27 será o lugar onde o Brasil mostrará que vai discutir novamente a questão climática e estará aberto para negociações sobre o tema. Além disso, a possível participação do presidente eleito, Lula, demonstra o compromisso do novo governo, dizem especialistas.

“Então, há uma enorme expectativa da participação nessa COP, há um grande interesse do mundo no Brasil até por conta destes últimos três quatro anos em que o país esteve praticamente ausente dessas discussões mais aprofundadas”, afirma André Guimarães. “Essa expectativa em torno do Brasil pode reverter investimentos a serem feitos para coibir o desmatamento, promover atividades mais sustentáveis, e ter, e atingir, então, as suas metas de redução de emissão que estão estabelecidas”, acrescenta.

O diretor-executivo da SOS Mata Atlântica, Luís Fernando Guedes, afirma que a participação do presidente eleito, Lula, na COP27 poderá ampliar os debates em torno da proteção do meio ambiente e da conservação da Amazônia.

“Lula vai sentar com o Biden [presidente dos Estados Unidos], ele vai muito mais em uma missão diplomática de apresentar um novo país,[ele] é muito mais diplomático. Que tem interesse em retomar a ação do país”, reforça.

André Guimarães destaca a importância da fiscalização dos acordos que podem ser firmados entre o novo governo na questão ambiental.

“A postura da sociedade civil é de esperança com a mudança nos ventos do governo, mas deve ser uma postura de crítica. Ou seja, se o governo prometer e não cumprir, a sociedade civil tem que estar atenta para poder criticar”, afirma.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?